Achei Sudoeste

BUSCA PELA CATEGORIA "Economia"

18 Jun 2019 - 09:30h

O presidente Jair Bolsonaro vetou nesta segunda-feira (17) trecho da medida provisória aprovada no mês passado pelo Congresso Nacional que determinava a gratuidade para bagagem de até 23 quilos em aviões com capacidade acima de 31 lugares, nos voos domésticos. De acordo com o G1, com o veto deste trecho da MP, as aéreas poderão voltar a cobrar pelas bagagens despachadas, ficando os passageiros isentos apenas de bagagens de mão até 10 quilos. No entanto, o Congresso Nacional poderá derrubar o veto presidencial quando vier a analisá-lo. Ainda não há previsão de quando essa medida provisória será apreciada pelos congressistas em sessão conjunta da Câmara e do Senado.

17 Jun 2019 - 09:30h

A Petrobras fez a maior descoberta desde o pré-sal, em 2006. De seis campos no estado do Sergipe, espera extrair 20 milhões de m³ por dia de gás natural, o equivalente a um terço da produção total brasileira. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo. Segundo a reportagem, a descoberta deve gerar R$ 7 bilhões de receita anual à Petrobrás e sócias, calcula a consultoria Gas Energy. Na avaliação do governo, a conquista pode ajudar a concretizar o “choque de energia barata” prometido pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, - plano para baratear em até 50% o custo do gás natural e "reindustrializar" o País. O governo espera que, em curto prazo, deva sair de Sergipe o gás mais barato do Brasil. Primeiro, pelo próprio aumento da produção, que ajuda na redução dos custos. Segundo, pela entrada em operação de rivais da petroleira, como a americana ExxonMobil, que tem projetos de exploração na região. Por fim, pela presença de empresas importadoras de gás, que também vão concorrer pela infraestrutura de escoamento. Dessa maneira, a tendência é de redução na tarifa de transporte e, com isso, também do preço final do produto.

13 Jun 2019 - 08:30h

A Petrobras anunciou nesta quarta-feira (12) uma redução de 4,6% no preço médio do diesel em suas refinarias, para R$ 2,0664 por litro, a partir de quinta-feira (13), e simultaneamente informou uma revisão em suas regras sobre periodicidade das mudanças de preços. “A partir de agora, os reajustes de preços de diesel e gasolina serão realizados sem periodicidade definida, de acordo com as condições de mercado e da análise do ambiente externo, possibilitando a companhia competir de maneira mais eficiente e flexível”, afirmou a empresa em nota. A empresa ainda manteve os preços da gasolina para quinta-feira.

10 Jun 2019 - 14:30h

A percepção dos empresários sobre o nível de inovação na indústria brasileira melhorou nos últimos quatro anos. Pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra que o porcentual dos que consideram baixo o grau de inovação no país caiu de 54% em 2015 para 39% neste ano. Já a fatia de empresários que considera alto o nível de inovação subiu de 3% para 6% no período. Apesar da melhora do desempenho, o patamar ainda é considerado aquém do esperado. De acordo com a diretora de inovação da CNI, Gianna Sagazio, os dados mostram que os empresários do setor passaram a dar mais importância para inovação. Os executivos, segundo ela, perceberam que inovar deixou de ser um diferencial e passou a ser necessário para competir no mercado nacional e, principalmente, no global. A pesquisa foi realizada com 100 líderes empresariais, de doze estados, mais o Distrito Federal, entre abril e maio deste ano. Apesar do crescimento, o patamar ainda é considerado baixo na comparação com outros países, segundo a diretora da CNI. Para que o desempenho seja ainda mais intenso, são necessário recursos para investir. E o problema, para esses empresários, é conseguir financiar projetos de inovação, principalmente em um cenário de retomada após a recessão em 2015 e 2016, segundo Sagazio. A pesquisa também estabelece um cenário para o futuro. De acordo com o levantamento, 31% dos CEOs, presidentes e vice-presidentes de 100 indústrias –40 de grande porte e 60 pequenas e médias– consideram que o grau de inovação da indústria será alto ou muito alto nos próximos cinco anos, principalmente por necessidade. Quatro anos antes, essa fatia era de apenas 14%. De acordo com o levantamento, 55% das empresas utilizam recursos próprios para financiar as atividades de inovação. O percentual é significativamente maior do que o aferido em 2015, quando 40% das empresas declararam usar apenas recursos próprios. Em contrapartida, diminuiu de 55% para 40% o número de empresas que combinam outras fontes de recursos, como fundos de investimento e públicos.

07 Jun 2019 - 14:30h

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, ficou em 0,13% em maio, o que representa uma desaceleração ante a taxa de 0,57% de abril, segundo divulgou nesta sexta-feira (7) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Foi o menor resultado para um mês de maio desde 2006 (0,10%). Trata-se também do índice mensal mais baixo do ano até o momento, refletindo principalmente a descompressão dos preços do grupo de alimentação e bebidas que voltou a apresentar deflação. Nos 4 primeiros meses do ano, porém, a inflação acumulada é de 2,22%, a maior taxa para o período desde 2016, quando ficou em 4,05%. De acordo com o G1, em 12 meses, o índice acumulado recuou para 4,66%, abaixo dos 4,94% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Apesar da desaceleração, a taxa ainda permanece acima da meta central de inflação do governo para 2019, que é de 4,25%. O resultado veio abaixo do esperado pelo mercado. Mediana das projeções de consultorias e instituições financeiras consultadas pelo Valor Data era de uma taxa de 0,20% em maio. Para 12 meses, a expectativa era de alta de 4,73%.

07 Jun 2019 - 11:30h

A reforma trabalhista, que entrou em vigor em novembro de 2017, alterou mais de 100 dispositivos da Consolidação de Leis do Trabalho (CLT). Entre esses dispositivos, flexibilizou as regras para que empresas possam contratar mão de obra temporária. Segundo levantamento realizado pela Page Interim, braço da PageGroup, especializado em recrutamento de mão de obra terceirizada e temporária, a procura por profissionais com regime de contratação mais flexível chegou a aumentar até 260% em funções estratégicas e internas de empresa, como no caso de consultor e coordenador comercial. O levantamento leva em conta o período de novembro de 2017 a maio deste ano. De acordo com a Veja, o trabalhador temporário é registrado em carteira assinada e têm direito a benefícios trabalhistas, como depósito de Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), equivalente a 13º salário e férias. Esse contrato é firmado por um determinado período de tempo. Assim, quando acaba, o trabalhador tem direito às verbas trabalhistas, mas não recebe valores rescisórios, como aviso prévio e multa do FGTS. O tempo desse contrato pode ser de até seis meses, prorrogável por mais três. Antes, o tempo era de três meses prorrogável por mais três. Essa mudança foi feita em uma lei anterior à reforma trabalhista, em março de 2017.

06 Jun 2019 - 09:30h

A Caixa Econômica Federal anunciou nesta quarta-feira, 5, a redução nos juros nos financiamentos imobiliários, com entrada em vigor a partir da próxima segunda-feira, 10. A maior taxa praticada pelo banco caiu de 11% ao ano mais Taxa Referencial (TR, atualmente em zero) para 9,75% mais TR. Já a menor taxa – paga pelos clientes que já têm relacionamento com a instituição – foi reduzida de 8,75% mais TR para 8,5% mais TR. De acordo com a Veja, o banco também unificou as taxas praticadas nos empréstimos do Sistema Financeiro de Habitação (SFH) e do Sistema Financeiro Imobiliário (SFI), este último voltado para imóveis com valor acima de 1,5 milhão de reais e que não podem ser financiados com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). As taxas anunciadas nesta quarta valem nas diversas modalidades de financiamento imobiliário: imóvel novo, imóvel usado, aquisição de terreno e construção, construção em terreno próprio e reforma e ampliação. A Caixa também divulgou as condições para a renegociação de dívidas imobiliárias de pessoas físicas. Segundo o banco, as medidas atingem cerca de 600 mil famílias e devem beneficiar 2,3 milhões de pessoas. Em alguns contratos, pode haver perdão e multas.  Entre as opções está o pagamento à vista de uma entrada e a incorporação das parcelas atrasadas nas próximas prestações do empréstimo. Há ainda a possibilidade de usar o saldo do FGTS para reduzir o valor das prestações, além da mudança da data de vencimento das parcelas. Os clientes poderão ainda buscar as agências do banco para tentar um acordo.

03 Jun 2019 - 09:30h

O Brasil registrou uma taxa de desemprego de 12,5% no trimestre encerrado em abril, de acordo com os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgados nesta sexta-feira, 31, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A falta de trabalho atinge 13,2 milhões de brasileiros. O resultado ficou dentro das expectativas de analistas, que esperavam uma taxa entre 12,3% e 12,8%. De acordo com a Veja, o índice representa um recuo em relação à taxa de 12,7% registrada no trimestre encerrado em março. O número também é inferior ao observado no trimestre encerrado em abril de 2018, de 12,9%. “O mercado de trabalho deu uma resposta. Você tem um mercado que aumenta o número de vagas e estanca o aumento de desempregados. Mas, por outro lado, você tem recordes negativos”, disse o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo. A renda média real do trabalhador chegou a 2.295 reais nos três meses até abril, enquanto no primeiro trimestre foi de 2.304 reais e no mesmo período de 2018, de 2.281 reais. O período foi marcado por aumento da ocupação, com o total de pessoas ocupadas subindo a 92,4 milhões entre fevereiro e abril, de 91,9 milhões no trimestre até março e 90,4 milhões no mesmo período do ano passado.

01 Jun 2019 - 06:50h

A Petrobras informou na noite desta sexta-feira (31) que vai reduzir o preço médio dos combustíveis nas suas refinarias a partir de sábado (1). O valor médio do litro do diesel vai ficar 6% menor e passará a ser vendido a R$ 2,1664. O preço da gasolina vai cair 7,16%, para R$ 1,8144. A última alteração no preço médio da gasolina foi feita na semana passada, quando a Petrobras reduziu o valor do combustível em 4,4%. A Petrobras decide sobre os preços dos combustíveis com base em fatores como a cotação internacional do petróleo e o câmbio, mas uma sistemática em vigor desde setembro prevê o uso de operações de hedge para permitir um espaçamento maior entre os reajustes.

01 Jun 2019 - 06:40h

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou na última sexta-feira (31) que a bandeira tarifária para junho de 2019 será a verde, sem cobrança extra nas contas de luz. Em maio, foi acionada a bandeira amarela, com acréscimo de R$ 1 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. A Aneel disse que, embora junho seja um mês típico da estação seca nas principais bacias hidrográficas do país, “a previsão hidrológica para o mês superou as expectativas, indicando tendência de vazões acima da média histórica para o período” e que, por isso, o cenário foi favorável para a retirada da cobrança extra nas contas de luz. O cálculo para acionamento das bandeiras tarifárias leva em conta, principalmente, dois fatores: o risco hidrológico e o preço da energia. Segundo a agência, o cenário favorável reduziu o preço da energia para o seu patamar mínimo, o que “diminui os custos relacionados ao risco hidrológico e à geração de energia de fontes termelétricas”, possibilitando a manutenção dos níveis dos principais reservatórios próximos à referência atual.

29 Mai 2019 - 11:30h

Clientes da Caixa Econômica Federal que têm dívidas com o banco podem, a partir desta terça-feira, 28, renegociar as pendências pela internet. O banco lançou o site www.negociardividas.caixa.gov.br , no qual é possível fazer a negociação. Segundo a Caixa, os descontos vão de 40% a 90% para a quitação. O mutirão, anunciado na última semana pelo presidente do banco, Pedro Guimarães, mira clientes pessoa física e jurídica que têm contas atrasadas há mais de 360 dias com a instituição. Segundo a Caixa, a ação chamada “Você no Azul” deve atingir cerca de 3 milhões de clientes que estão nessa situação. Do total, 2,6 milhões são pessoas físicas. De acordo com a Caixa, 92% deste total pode quitar as dívidas à vista por valores de até 2.000 reais. Das 320.000 pessoas jurídicas que são foco do programa, 65% tem possibilidade de quitar as pendências por menos de 5.000 reais. De acordo com a Veja, a ação está vigente por noventa dias. Além do site, é possível solicitar atendimento pelo telefone 0800 726 8068, opção 8, e pelas agências. Pela internet, o cliente informa o CPF, recebe um código de autenticação de acesso pelo celular e aí vê quais as opções dadas pelo banco para pagar a pendência financeira.

25 Mai 2019 - 05:50h

A Petrobras reduziu os preços da gasolina nas refinarias em 4,4%, em média, neste sábado (25), um corte de 0,0907 real por litro, para R$ 1,9543, segundo informações no site da companhia nesta sexta-feira (24). O diesel segue estável. De acordo com o G1, o reajuste, primeiro na gasolina desde 30 de abril, acontece em uma semana em que o mercado de petróleo marcou o pior desempenho de 2019, com o barril do Brent, referência internacional, recuando 4,5% desde segunda-feira. Houve também valorização do real, que iniciou a semana cotado a cerca de R$ 4,08. Nesta sexta-feira, a moeda norte-americana caiu 0,8%, vendida a R$ 4,0152. A Petrobras decide sobre os preços dos combustíveis com base em fatores como a cotação internacional do petróleo e o câmbio, mas uma sistemática em vigor desde setembro prevê o uso de operações de hedge para permitir um espaçamento maior entre os reajustes.

23 Mai 2019 - 11:30h

A tramitação da reforma da Previdência e as estimativas de deputados e membros do governo de quando o texto pode entrar em vigor fizeram disparar em 115,4% o número de pedidos de aposentadoria recebidos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) nos primeiros três meses deste ano. Entre janeiro e março, foram pedidas 510.613 aposentadorias, ante as 237.086 requisições do mesmo período de 2018. Os dados foram levantados pelo instituto a pedido da Revista Veja. O aumento do pedido aconteceu tanto nas aposentadorias por idade como nas de por tempo de contribuição. No benefício por idade, foram solicitadas 280.048 aposentadorias nos primeiros três meses deste ano, contra 105.306 no mesmo período do ano anterior –uma alta de 166%. A aposentadoria por idade é aquela que o segurado precisa ter, no mínimo, 60 anos, no caso das mulheres, e 65 anos no caso dos homens. Além disso, são necessários 15 anos de contribuição. No caso da aposentadoria por tempo de contribuição –em que não há idade mínima–, o número de pedidos saltou de 131.780 no primeiro trimestre de 2018 para 230.565 no mesmo período deste ano, com aumento de 75%. No caso desse tipo de benefício, o segurado precisa comprovar ao menos 30 anos de recolhimento no caso das mulheres e 35 anos no caso dos homens.  De acordo com especialistas, o aumento no número de pedidos está diretamente relacionado com a reforma da Previdência, tema chave para o governo Bolsonaro. A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) foi enviada em 20 de fevereiro para o Congresso. Mesmo antes, desde o dia da posse do ministro da Economia, Paulo Guedes, em 2 de janeiro, o tema tem sido recorrente para a tomada de decisões e é apontado como decisivo para os rumos da economia brasileira nos próximos anos.

22 Mai 2019 - 08:30h

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (21) um reajuste nos valores da bandeira tarifária amarela e da bandeira vermelha, nos patamares 1 e 2. O maior reajuste ocorreu na bandeira amarela, que passou de R$ 1 a R$ 1,50 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) – uma alta de 50%. De acordo com o G1, o patamar da bandeira vermelha 1 passou de R$ 3 para R$ 4 a cada 100 kWh, alta de 33,3%, e o patamar 2 da bandeira vermelha passou de R$ 5 para R$ 6 por 100 kWh consumidos, alta de 20%. Novos valores (por 100 kWh): Bandeira amarela: R$ 1,50; Bandeira vermelha 1: R$ 4,00; Bandeira vermelha 2: R$ 6,00. O reajuste servirá para adequar o valor do custo extra a ser cobrado dos consumidores em períodos em que a produção de energia ficar mais cara. O objetivo é que a arrecadação com as bandeiras fique o mais próximo possível do valor extra gasto com a geração de energia. Segundo o diretor-geral da Aneel, André Pepitone, o reajuste evitará que a conta da bandeira tarifária fique deficitária em 2019. Em 2017, a conta da bandeira fechou com um déficit de R$ 4,4 bilhões e em 2018 o déficit foi de cerca de R$ 500 milhões. Esses déficits foram incluídos nos reajustes tarifários.

20 Mai 2019 - 16:30h

Analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Banco Central revisaram em 0,21 ponto percentual para baixo a previsão do Produto Interno Bruto (PIB) para 2019. De acordo com o Boletim Focus, divulgado nesta segunda-feira, 20, a economia brasileira deve avançar 1,24% neste ano. Na semana anterior, a previsão era de 1,45%. De acordo com a Veja, com essa nova revisão, já são doze semanas consecutivas em que o mercado financeiro prevê crescimento menor. Em janeiro deste ano, analistas chegaram a projetar o PIB em 2,57%. Essa nova revisão já era esperada após uma semana marcada por vários sinais negativos para o crescimento da economia. O IBC-Br, uma espécie de “prévia” do PIB, medido pelo Banco Central, mostrou recuo de 0,68% na atividade econômica nos três primeiros meses do ano. O indicador oficial do período, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), deve ser divulgado no próximo dia 30. O ministro da economia, Paulo Guedes, admitiu que o governo já trabalha com PIB em 1,5% neste ano. A expectativa anterior era de avanço de 2,7%. O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia. A projeção do mercado para os próximos três anos (2020, 2021 e 2022) é que o número avance 2,50%.

16 Mai 2019 - 15:30h

O índice de desemprego subiu em 14 das 27 unidades da federação brasileiras no primeiro trimestre deste ano em relação ao 4º trimestre de 2018, informou nesta quinta-feira, 16, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Houve aumento do desemprego no Acre, Goiás, Mato Grosso do Sul, Maranhão, Mato Grosso, Distrito Federal, Tocantins, Espírito Santo, Minas Gerais, Pará, Ceará, São Paulo, Paraná e Santa Catarina. Nos outros 13 estados, o nível de desocupação permaneceu estável, não havendo retomada do emprego em nenhuma unidade do país, segundo dados da Pesquisa de Amostra de Domicílios Continua (Pnad Continua). No país, a taxa de desemprego no primeiro trimestre foi de 12,7%. com um total de 13,4 milhões de pessoas procurando emprego no período. De acordo com a Veja, o Amapá registrou a maior taxa, 20,2%, seguido pela Bahia, com 18,3%. O maior aumento na taxa de desemprego, entretanto, foi observado no Acre. O índice subiu de 13,1%, nos três últimos meses do ano passado, para 18%, variação de 4,9 ponto percentual. As outras duas maiores altas foram em Goiás (de 8,2% para 10,7%) e Mato Grosso do Sul (de 7% para 9,5%), ambos estados com crescimento de 2,5 ponto percentual no desemprego deste período. Na comparação do 1º trimestre de 2019 com o mesmo período de 2018, quatro estados tiveram aumento no número de desempregados: Roraima, Acre, Amazonas e Santa Catarina. Em outros três, Ceará, Minas Gerais e Pernambuco, o número de desempregados caiu. Nas outras 20 unidades da federação, o desemprego mostrou-se estável.

14 Mai 2019 - 10:30h

Economistas já preveem que a economia brasileira deve crescer neste ano menos do que no ano passado, quando o avanço foi de apenas 1,1%. Após a euforia causada pelo início do governo de Jair Bolsonaro (PSL), quando o otimismo pela mudança levou analistas a preverem um PIB (Produto Interno Bruto, índice que serve para medir a atividade econômica, calculando a soma de todas as riquezas produzidas por um país, dentro de um determinado período) em torno de 3% para 2019, agora a expectativa é de um crescimento de apenas 1%. Há tempos a economia brasileira não apresenta um avanço significativo. Tanto em 2018 como em 2017, o PIB foi de 1,1%. Em 2016 e em 2015, a economia teve retração, de 3,3% e 3,5%, respectivamente. Devido a sinais de desaceleração da atividade econômica no primeiro trimestre deste ano, bancos e consultorias passaram a cortar as projeções. O Itaú divulgou nesta segunda-feira, 13, redução da expectativa de 1,3% para 1,0% para o PIB de 2019. Na sexta-feira, 10, diante do ritmo de crescimento no começo deste ano aquém do esperado, o Bradesco revisou a projeção de alta do PIB de 1,9% para 1,1%. Entre outras estimativas, o banco Santander espera avanço de 1,3%, a XP Asset Management, de 1,1% e a LCA Consultores, de 1,5% (“com tendência de redução”). Os cortes das projeções levam uma conta, principalmente, uma perspectiva de aprovação da reforma da Previdência mais tardia no Congresso Nacional, o que posterga a volta da confiança, dos empresários e dos consumidores e, consequentemente, das decisões de investimentos.

08 Mai 2019 - 16:30h

Pesquisa do Ibope divulgada nesta quarta-feira (8) mostrou que 59% dos entrevistados concordam que é preciso fazer uma reforma na Previdência. A pesquisa foi encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Veja os números: Concordam: 59%; Discordam: 36%; Não sabem/não responderam: 5%; Não concorda nem discorda: 1%. O Ibope ouviu 2 mil pessoas em 126 municípios entre os dias 12 e 15 de abril. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para cima e para baixo. O Ibope também questionou se os entrevistados eram favoráveis à proposta do governo para a reforma da Previdência. A maioria se disse contrária. As respostas foram: A favor: 39%; Contra: 51%; Não sabe/não respondeu: 10%.

05 Mai 2019 - 07:00h

A produção de tomates na Bahia deve crescer 20% em 2019, conforme dados do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Conforme apontam os dados, a produção de tomates que foi de 230.800 toneladas em 2018, deve passar para 275.800 em 2019. O crescimento é de 45 mil toneladas. Segundo o G1, o aumento da produção baiana diminui a necessidade de trazer tomates de outros estados, o que deve reduzir o preço do produto para o consumidor. Com o crescimento da produção, a Bahia deve ganhar uma posição no ranking de produtores de tomate no país e ocupar a quarta posição, ficando atrás apenas de Goiás (-13,5), São Paulo (9,2) e Minas Gerais (40,6%). Goiás apresentou redução, mas ainda é o maior produtor de tomates do país, com 1.157.604 de toneladas. Ainda de acordo com o levantamento, a alta dos preços do tomate está relacionada às más condições climáticas na região de Goiás.

04 Mai 2019 - 06:10h

Com o recuo de 1,3% em março, a produção industrial brasileira acumulou queda de 2,2% no primeiro trimestre em relação ao mesmo período anterior, apontou a Pesquisa Industrial Mensal, divulgada nesta sexta-feira, 3, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A queda no indicador industrial de março é a maior em seis meses. Em setembro, a produção havia caído 2,1% em comparação com agosto. De acordo com a Veja, o resultado de março, na comparação com fevereiro, eliminou o aumento de 0,6% no mês anterior, com grande disseminação e intensidade nos recuos. A produção automobilística, por exemplo, que havia crescido 6,4% em fevereiro, registrou -3,2% em março. Também a indústria de alimentos, com -4,9%, eliminou parte do crescimento de 13,8% no mês anterior. “Havíamos registrado uma antecipação da produção em diferentes setores da indústria, se preparando para a chegada do Carnaval”, explica o gerente da pesquisa, André Macedo: “esses mesmos setores apresentaram recuo em março, por causa do efeito calendário, com menos dois dias úteis em comparação a março de 2018”.  Entre as grandes categorias econômicas, os bens intermediários (-1,5%) entraram no terceiro mês seguido de queda. Já os bens duráveis (-1,3%) e os semi e não duráveis (-1,1%) interromperam dois meses de crescimento. Apenas os bens de capital tiveram variação positiva de fevereiro para março (0,4%), entrando no segundo mês seguido de taxas positivas.