Achei Sudoeste

BUSCA PELA CATEGORIA "Economia"

15 Ago 2018 - 12:30h

Trabalhadores com conta no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) receberão rendimento extra de 1,72% pelo lucro que o fundo obteve no ano passado. Na média, o rendimento extra representa R$ 38 para cada uma das 258 milhões de contas. O dinheiro começa a ser depositado nesta terça-feira, 14, e todas as contas terão o recurso extra até o dia 31 de agosto. Devem ser beneficiadas 90,7 milhões de pessoas. A remuneração extra é resultado da partilha do lucro do Fundo no ano passado. Segundo os gestores do FGTS, o resultado somou R$ 12,46 bilhões, sendo que R$ 6,23 bilhões serão divididos com os próprios trabalhadores. Para calcular o valor que vai receber em sua conta do FGTS, o cotista precisa multiplicar o índice de 0,0172 ao saldo existente em 31 de dezembro de 2017. Por exemplo, quem tinha R$ 1 mil, receberá R$ 17,20. Esse é o segundo ano em que metade do lucro do FGTS é distribuído entre os trabalhadores e que o rendimento total fica acima da inflação. Se levar em conta a atualização mensal já paga durante os meses do ano passado, as contas do Fundo tiveram remuneração total de 5,59% no acumulado de 2017. O porcentual, destaca a Caixa, foi praticamente o dobro da inflação oficial do período, de 2,95%. Cotistas poderão consultar o valor recebido a partir de 31 de agosto no site da Caixa ou através do aplicativo para telefones celulares. O FGTS investe em diversas operações financeiras, como títulos públicos, financiamento de projetos de infraestrutura e no Fundo de Investimento do FGTS (FI-FGTS), entre outras.

14 Ago 2018 - 13:30h

Os trabalhadores de todas as idades que tiverem direito a cotas dos fundos dos programas de Integração Social (PIS) e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) já podem sacar o benefício. O governo federal liberou a retirada a partir desta terça-feira (14) até o dia 28 de setembro. Segundo informações da Agência Brasil, desde o dia 8 de agosto, o crédito está sendo feito automaticamente para correntistas da Caixa e do Banco do Brasil. Agora, todas as pessoas poderão sacar seus recursos corrigidos. Mas quem perder esse prazo, só poderá receber as quantias dos dois fundos nos casos previstos pela Lei 13.677/2018. Para ter direito ao saque, a pessoa deve ter trabalhado com carteira assinada antes da Constituição de 1988. Essas cotas são os rendimentos anuais depositados nas contas de trabalhadores que foram criadas entre 1971, ano de criação do PIS/Pasep, e 1998, quando foi promulgada a Constituição. Assim, para conferir o saldo e confirmar se tem direito ao benefício, o trabalhador deve consultar os sites do PIS e do Pasep. No primeiro caso, os cotistas que tiverem o Cartão Cidadão também podem contatar a Caixa Econômica Federal no telefone 0800-726-0207 ou nos caixas eletrônicos da instituição. Já no caso do Pasep, a outra opção de consulta deve ser feita através do Banco do Brasil, nos telefones 4004-0001 ou 0800-729-0001.

02 Ago 2018 - 09:30h

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) decidiu na quarta-feira (1º) manter a taxa básica de juros da economia, a Selic, em 6,5% ao ano. De acordo com o G1, a decisão já era esperada pelo mercado financeiro. Esta é a terceira vez seguida que o Copom decide não alterar a taxa Selic. A taxa está no menor patamar desde o início do regime de metas para a inflação, adotado em 1999. De outubro de 2016 a março de 2018, a Selic foi reduzida 12 vezes seguidas, passando de 14,25% ao ano para 6,5% ao ano. Em maio deste ano, em meio à volatilidade do câmbio e das turbulências do cenário externo, o Comitê pôs fim ao ciclo de cortes nos juros. A expectativa dos analistas é que a taxa seja mantida neste patamar até o fim de 2018 e chegue a 8% em 2019. No comunicado divulgado após a reunião, o Comitê não deu indicações sobre manutenção ou alteração na Selic nas próximas reuniões.

31 Jul 2018 - 14:30h

A taxa de desemprego no Brasil recuou para 12,4% no trimestre encerrado em junho. Isso significa que 13 milhões de pessoas estão desempregadas no país. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (31) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), por meio da pesquisa Pnad Contínua. A taxa ficou abaixo da registrada no trimestre terminado em maio, quando o índice foi de 12,7%, e também na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior (13%). De acordo com o G1, o número de desempregados também caiu. No trimestre encerrado em maio eram 13,2 milhões. Já na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, quando havia 13,5 milhões de desocupados, o número de desempregados caiu 3,9%, ou menos 520 mil pessoas nesta situação. A população ocupada no país (91,2 milhões) aumentou 0,7% em 3 meses, um adicional de 657 mil pessoas em relação ao trimestre encerrado em março. Em 12 meses, houve aumento de 1,1%, ou mais 1,0 milhão de pessoas. Os dados do IBGE mostram que a queda da taxa de desemprego tem sido puxada pela geração de postos informais. Em 3 meses, o número de empregados sem carteira de trabalho assinada cresceu 2,6% (mais 276 mil pessoas) e 3,5% em 12 meses (mais 367 mil pessoas). Por outro lado, o número de trabalhadores com carteira recuou 0,2% em 3 meses e caiu 1,5% em 1 ano (menos 497 mil pessoas). Já o número de trabalhadores por conta própria aumentou 0,5% em 3 meses e 2,5% na comparação anual, um acréscimo de 555 mil pessoas em 12 meses.

31 Jul 2018 - 10:30h

O setor público consolidado (governo central, estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras) apresentou déficit primário de 13,491 bilhões de reais em junho, informou nesta segunda-feira (30) o Banco Central. Em maio, havia sido registrado déficit de 8,224 bilhões de reais. Nos primeiros seis meses deste ano, o déficit do setor público foi de 14,424 bilhões de reais, ante um rombo de 35,183 bilhões de reais no primeiro semestre do ano passado. A meta do déficit primário do setor público consolidado considerada pelo governo é de 161,3 bilhões de reais para 2018. O resultado fiscal de junho foi composto por um déficit de 14,951 bilhões de reais do governo central (Tesouro, Banco Central e INSS). Já os governos regionais (estados e municípios) influenciaram o resultado positivamente com 353 milhões de reais no mês. Enquanto os estados registraram um superávit de 6 milhões de reais, os municípios tiveram resultado positivo de 347 milhões de reais. As empresas estatais registraram superávit primário de 1,107 bilhão de reais.

27 Jul 2018 - 14:30h

A conta de luz para os consumidores continuará mais cara em agosto, reflexo da falta de chuva em todo o país. Com isso, entra em vigor a bandeira vermelha – que representa um aumento de 5 reais a cada 100 quilowatts-hora consumidos. A informação foi confirmada nesta quinta-feira pelo diretor geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Luís Eduardo Barata. A repetição da bandeira do mês de junho deve-se à manutenção das condições hidrológicas desfavoráveis e à tendência de redução no nível de armazenamento dos principais reservatórios do Sistema Interligado Nacional (SIN). “A tendência é de que a bandeira vermelha deva permanecer até o final do período seco. A situação hidrológica encontra-se em situação adversa de norte a sul do país e a chuva não cai”, explicou. Eduardo Barata, no entanto, afastou o risco de desabastecimento de energia elétrica. “A energia estará mais cara, embora não haja risco de desabastecimento. Mas com certeza a um custo [da energia] bem maior. Isto significa que é importante que se reduza o consumo, o que também consequentemente acarretará na redução do custo para o consumidor final. Reduz o consumo, reduz o custo”, disse.

25 Jul 2018 - 10:30h

A secretaria da Receita Federal informou na terça-feira (24) que, em junho, a arrecadação com impostos, contribuições e demais receitas teve alta real (acima da inflação) de 2,01% e chegou a R$ 110,855 bilhões. Esse foi o melhor resultado para meses de junho desde de 2015. Em junho de 2017, a arrecadação federal somou R$ 108,671 bilhões (em valores atualizados). Esse é o oitavo mês consecutivo de crescimento real da arrecadação federal frente ao mesmo período do ano anterior. A última queda, nesse caso, foi em outubro do ano passado, mas o resultado foi influenciado pela receita extra com a chamada “repatriação”, em outubro de 2016. De acordo com o G1, no acumulado dos primeiros seis meses deste ano, a arrecadação total somou R$ 714,255 bilhões, com crescimento real de 6,88%, em comparação com o mesmo período do ano passado. Esse foi o melhor resultado para o período desde 2015.

24 Jul 2018 - 10:30h

Mais de 6 em cada 10 brasileiros apelaram para o bico para complementar a renda no primeiro semestre deste ano. Estudo realizado pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) aponta que o número de pessoas que recorreram a alguma forma de trabalho extra subiu de 57%, no mesmo período do ano anterior, para 64% em 2018. Entre as classes C, D e E, a proporção salta para 70%. De acordo com a Veja, o levantamento mostra também que, no primeiro semestre deste ano, 83% dos consumidores fizeram cortes para driblar a crise, como refeições fora de casa, lazer, compra de roupas, calçados e acessórios e também de itens supérfluos em supermercados, como carnes nobres, congelados, iogurtes e bebidas. Mais da metade dos brasileiros (51%) acredita que as condições gerais da economia pioraram ao longo deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado.

19 Jul 2018 - 15:30h

A maior parte dos brasileiros ainda prefere pagar suas compras com dinheiro, mas o uso dessa forma de pagamento vem caindo nos últimos anos, aponta pesquisa divulgada pelo Banco Central nesta quinta-feira (19).  De acordo com o estudo, 60% dos entrevistados responderam que o dinheiro é a forma de pagamento utilizada com maior frequência. Na pesquisa anterior, divulgada pelo BC em 2013, esse índice era de 78%. O BC informou ainda que 4% dos entrevistados neste ano disseram que nunca usam dinheiro ou moedas para pagar compras. Em 2013, 100% disseram que o dinheiro era uma das formas utilizadas. De acordo com o G1, já o preferência pelo cartão de débito e de crédito aumentou: passou de 9% para 22%, no caso do cartão de débito; e de 12% para 15%, no caso do cartão de crédito. A pesquisa de 2018 do BC foi feita no mês de abril e ouviu 2 mil pessoas, sendo mil dos entrevistados da população em geral e os outros mil entre funcionários do comércio e de estabelecimentos de serviço que trabalham como caixa.

19 Jul 2018 - 12:30h

A União desembolsou R$ 534,16 milhões em junho para honrar dívidas de entes subnacionais, de acordo com relatório divulgado pelo Tesouro Nacional. No ano, o valor gasto pelo governo federal para garantir dívidas de Estados e municípios chegou a R$ 1,894 bilhão.  A maior parte desse gasto se deve a dívidas do Estado do Rio de Janeiro. No mês passado, o Tesouro garantiu o pagamento de R$ 531,44 milhões em débitos do governo fluminense. Nos seis primeiros meses de 2018, as dívidas do Rio pagas pela União totalizaram R$ 1,861 bilhão. Apesar disso, o Rio de Janeiro pode contratar novas operações de crédito com a garantia da União por estar enquadrado no Regime de Recuperação Fiscal (RRF) dos Estados. Em junho, a União também garantiu o pagamento de R$ 2,72 milhões em dívidas de Roraima. No ano, o Tesouro desembolsou R$ 22,09 milhões para honrar débitos do Estado nortista. Roraima não poderá contratar novos empréstimos com a garantia da União até 6 de junho de 2019.

19 Jul 2018 - 11:30h

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou, o reajuste de 45,52% na receita anual de geração de 69 usinas hidrelétricas que atuam no regime de cotas. Após este reajuste a autarquia afirmou que a medida vai provocar aumento nas contas de luz entre 0,02% e 3,86%, com o impacto médio de 1,54%. O impacto no aumento da energia depende da data do reajuste aprovado pela Aneel e da quantidade de cotas que cada distribuidora compra das hidrelétricas. O volume de cotas de representa, em média, 22,64% dos contratos de energia das concessões. A remuneração total recebida pelas usinas, de julho de 2018 a junho de 2019, será de R$ 7,944 bilhões. De acordo com a Aneel, a receita anual de geração é calculada considerando os valores do Custo da Gestão dos Ativos de Geração (GAG), acrescidos de encargos de uso e conexão, receita adicional por remuneração de investimentos em melhorias de pequeno e grande porte, investimentos em bens não reversíveis, Taxa de Fiscalização dos Serviços de Energia Elétrica, custos associados aos programas de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética e eventuais ajustes. O regime de cotas foi implantado por meio da Medida Provisória nº 579, de 2012, com renovação automática das concessões de usinas hidrelétricas. Para isso, as hidrelétricas tiveram que vender energia às distribuidoras por um preço fixo, determinado pela Aneel, ao contrário de firmarem preços conforme o mercado e as realidades das instituições.

18 Jul 2018 - 10:30h

Aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) receberão a primeira parte do 13º salário junto ao pagamento de agosto. A primeira parcela do abono anual corresponderá a até 50% do valor do benefício. As informações são da Agência Brasil. O decreto autorizando a antecipação foi assinado na segunda-feira (16) pelo presidente Michel Temer, mas ainda não foi publicado no Diário Oficial da União. A medida deve injetar R$ 21 bilhões na economia do país e movimentar o comércio e outros setores. Como determina a legislação, não haverá desconto de Imposto de Renda na primeira parcela paga a aposentados e pensionistas do INSS. O imposto sobre o valor somente pode ser cobrado na segunda parcela da gratificação natalina, a ser paga junto com a remuneração de novembro. Desde 2006, o governo antecipa a primeira parcela do 13º salário dos aposentados e pensionistas na folha de agosto. Somente em 2015, o pagamento foi adiado para setembro, por causa do ritmo fraco da economia e da queda da arrecadação.

09 Jul 2018 - 12:30h

O Rio de Janeiro tornou-se a primeira cidade brasileira a banir o uso de canudos de plástico em quiosques, bares e restaurantes. O projeto de lei foi sancionado nesta quinta 5 pelo prefeito Marcelo Crivella (PRB). De acordo com a Veja, os estabelecimentos que descumprirem a lei estão sujeitos a multa de 3.000 reais – valor que pode chegar a 6.000 reais em caso de reincidência. De acordo com o texto, canudos de papel biodegradável ou reciclável devem ser oferecidos como alternativa. A medida, de autoria do vereador Jorge Felippe (MDB), foi publicada no Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro ontem. Ainda não há data para que a lei entre em vigor.

05 Jul 2018 - 11:30h

A Petrobras reajustou no preço do gás de cozinha (GLP) em 4,4%. O botijão de 13 quilos passa a valer 23,10 reais nesta quinta (5). No acumulado do ano, o GLP apresenta aumento de 5,2%, na comparação com o preço de dezembro do ano passado. A estatal informou que o reajuste ocorre devido à desvalorização do real frente ao dólar, que apenas entre março a junho foi de 16%, e ao reajuste de 22,9% do preço do GLP no mercado internacional no mesmo período. O botijão de 13 quilos é reajustado trimestralmente, de acordo com política implementada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP) em janeiro para reduzir o impacto das variações internacionais ao consumidor. Este é o primeiro reajuste desde que a mudança foi instituída. Em janeiro, houve uma queda de 5% e em abril, de 4,4%.

04 Jul 2018 - 12:30h

Afetada pela greve dos caminhoneiros, a indústria brasileira recuou 10,9% no mês de maio, na série com ajuste sazonal, divulgou nesta quarta-feira (4) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o órgão, a paralisação que durou 11 dias afetou o processo de produção de várias unidades produtivas no mês. De acordo com o G1, esta foi a maior queda desde dezembro de 2008, quando a produção industrial caiu 11,2%. De acordo com o gerente da pesquisa do IBGE, André Macedo, foi também o segundo pior resultado da série histórica iniciada em 2002. Em relação a maio de 2017, o setor industrial recuou 6,6%.

04 Jul 2018 - 11:30h

As vendas de gasolina C (misturada com etanol) no Brasil caíram 19% em maio na comparação com igual período do ano passado e 9,2% ante abril, informou na terça-feira (3) a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), que citou os impactos de protestos de caminhoneiros como razão para o recuo. De acordo com o G1, no acumulado de 2018, de janeiro a maio, o tombo nas vendas é de 11,1%, diante também do aumento das vendas de etanol hidratado, segundo a agência reguladora.

02 Jul 2018 - 11:30h

O afastamento de profissionais de suas atividade laborais por sofrer algum tipo de acidente trabalho é uma preocupação recorrente e que requer investimentos tanto das empresas quanto do governo em prevenção. A avaliação é da presidente da Associação Nacional de Medicina do Trabalho (Anamt), Marcia Bandini. De acordo com dados do Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho, entre 2012 e 2017, a Previdência Social gastou cerca de 26,2 bilhões de reais com benefícios acidentários (auxílio-doença, aposentadoria por invalidez, pensão por morte e auxílio-acidente), sem considerar o estoque de anos anteriores no mesmo intervalo. Significa dizer que a cada 7 minutos 1 real é desembolsado para este fim. Além disso, foram 40.186.713 dias perdidos no mesmo período. “Estudo do Banco Mundial e da Organização Internacional do Trabalho mostra que 4% do Produto Interno Bruto mundial é perdido com acidentes de trabalho. A prevenção é muito importante do ponto de vista humano, e além disso, pela economia que pode representar”, afirma Marcia. Para ela, é necessário atuar mais firmemente em prevenção, investir em proteção e realizar mais treinamentos para os trabalhadores. Segundo a Veja, para incentivar esses investimentos, o governo tem cobrado das empresas os desembolsos feitos pela Previdência Social com trabalhadores que foram vítimas de acidentes provocados por imprudência das companhias. As chamadas ações regressivas são processos judiciais em que a Advocacia Geral da União pede o ressarcimento dos valores gastos com benefícios a trabalhadores que foram vítimas de acidentes por imprudência da empresa.

01 Jul 2018 - 12:00h

Começam a valer neste domingo (1) as novas regras para a utilização do cheque especial, que devem oferecer aos clientes opções mais vantajosas para o pagamento da dívida. O cheque especial é uma linha emergencial que permite ao correntista gastar um certo limite definido pelo banco, mesmo que ele não tenha dinheiro na conta. Mas esta facilidade custa a ele juros mais altos. Com a mudança, os bancos terão que oferecer opções mais baratas de crédito, como o parcelamento da dívida. A principal medida prevista no normativo é a obrigação de que os bancos signatários disponibilizem para os clientes, “a qualquer tempo”, opções para o pagamento do saldo devedor do cheque especial “em condições mais vantajosas” do que as praticadas no próprio cheque especial, no que diz respeito à cobrança de encargos financeiros. De acordo com o G1, entre as alternativas que os bancos vão oferecer deve estar o parcelamento da dívida do cheque especial. No caso de clientes que utilizem mais de 15% do limite do cheque especial durante 30 dias, de forma ininterrupta, o normativo prevê que os bancos devem, de forma proativa, oferecer essas alternativas mais vantajosas para pagamento do saldo devedor. Essa regra se aplica somente para dívidas superiores a R$ 200. A oferta das opções mais vantajosas para pagamento do cheque especial, neste último caso, devem ocorrer em até 5 dias úteis após os bancos constatarem que o cliente se enquadra neste caso. O cliente não será obrigado a contratar uma das alternativas oferecidas pelos bancos. Nesses casos, os bancos terão que reiterar as ofertas aos clientes a cada 30 dias. Se o cliente optar por parcelar a dívida do cheque especial, os bancos terão a opção de manter ou não o limite de crédito dessa modalidade ao consumidor.

01 Jul 2018 - 10:30h

A partir deste domingo (1), o trabalhador poderá transferir seu salário automaticamente para uma conta não bancária. Antes, a operação só era permitida de banco para banco. A transferência não terá custo para o cliente. Pela regra anterior, o empregado precisava procurar o banco de sua conta salário (onde o patrão deposita os vencimentos do empregado) para pedir a transferência do dinheiro para uma conta em outro banco. Agora, ele poderá fazer esse pedido na própria instituição para onde quer transferir o salário, inclusive para contas fora de bancos. Portanto, a partir de agora, a conta de destino dos depósitos poderá ser não apenas uma conta corrente de bancos, mas também uma conta de pagamento, que pode ser oferecida por instituições não financeiras, fintechs ou emissores de cartões. Em maio, existiam 112 instituições de pagamentos (chamadas de IP) não reguladas pelo Banco Central, chamadas de “não autorizadas”. Sem um banco parceiro por trás, elas não podem fazer a portabilidade dos recursos da conta salário. Somente as IPs reguladas podem receber os salários, como por exemplo, Nu Pagamentos (Nubank) e a Brasil Pré Pagos.

29 Jun 2018 - 16:30h

A taxa de desocupação ficou em 12,7% no trimestre encerrado em maio, queda de 0,2 ponto porcentual em relação ao trimestre terminado em abril, quando o indicador estava em 12,9%. Com isso, o desemprego atingiu 13,2 milhões de pessoas. Os dados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) mensal divulgada nesta sexta-feira, 29, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No confronto com igual trimestre do ano anterior, quando havia 13,8 milhões de desocupados, houve queda de 3,9%. De acordo com a Veja, na outra ponta, o número de pessoas que conseguiram uma ocupação entre março e maio ficou estável em relação ao trimestre de dezembro de 2017 a fevereiro de 2018. Agora, são 90,9 milhões de brasileiros com emprego contra 87,9 milhões no mesmo trimestre do ano passado. A quantidade de empregados com carteira de trabalho assinada caiu 1,1% em comparação com o trimestre anterior. São 32,8 milhões de pessoas com trabalho formal. No confronto com o trimestre de março a maio de 2017, a queda foi de 1,5%, perda de 483.000 vagas. Já os trabalhadores sem carteira de trabalho assinada apresentou um aumento de 2,9% em relação ao trimestre anterior. Na comparação com o mesmo trimestre de 2017, a alta foi de 5,7%, ganho de 597.000 oportunidades.  

29 Jun 2018 - 12:30h

O presidente Michel Temer (MDB) assinou na quinta-feira, 28, decreto que reserva 30% das vagas em processos de seleção de estágio e na contratação de jovens aprendizes no serviço público para estudantes negros. De acordo com o Ministério dos Direitos Humanos, a proposta é aplicar a mudança na administração pública, autarquias, fundações públicas e das sociedades de economia mista controladas pela União. O ministério diz que a ação terá como impacto imediato o acolhimento da reivindicação de educação, saúde e trabalho movida pelo movimento social negro ao estado brasileiro e a superação das desigualdades étnico-raciais. “No trabalho, esse é um avanço de repercussão muito significativa, pois vai atingir o jovem no seu primeiro emprego, posicionando os negros em condição de igualdade”, comemora o Ministro dos Direitos Humanos, Gustavo Rocha. De acordo com a Veja, poderão concorrer às vagas reservadas, candidatos negros  que se autodeclararem pretos ou pardos no ato da inscrição na seleção de estágio, conforme o quesito cor ou raça utilizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE).

22 Jun 2018 - 11:30h

A Caixa Econômica Federal passou a incluir a informação sobre o signo do zodíaco no cadastro de identificação dos clientes. De acordo com a instituição, o dado do horóscopo é obtido automaticamente pelo sistema do banco, a partir da data de nascimento do cliente. “A informação é somente para uso interno e utilizada para auxiliar na identificação do cliente em caso de eventuais fraudes”, diz a Caixa por meio de nota. A exigência do horóscopo se junta a outras informações que são exigidas para identificar o cliente, como data de nascimento, nome, RG e CPF. O uso do signo para identificação foi confirmado pelo banco após o jornal O Globo publicar reportagem mostrando um cliente fluminense que descobriu que seu signo (sagitário) constava do formulário que recebeu da atendente de uma agência para receber o dinheiro do fundo PIS. Ele postou a foto com a informação nas redes sociais e o caso acabou viralizando.

21 Jun 2018 - 15:30h

A Petrobras anunciou na manhã desta quinta-feira, 21, diminuição no preço da gasolina nas refinarias. Só em junho foram realizadas dez reduções no custo do litro do combustível. No período, ocorreram duas altas nos valores. De acordo com a Veja, dessa vez, o preço da gasolina teve queda de 1,11%, saindo de R$ 1,8841 para R$ 1,8634. No maior valor para junho, no dia 2, o litro chegou a custar 2,0113 reais nas refinarias. Os novos custos não incluem impostos e valem a partir desta sexta-feira. A oscilação segue a política de preços adotada pela companhia desde julho do ano passado, que acompanha a cotação do petróleo no mercado internacional. Com isso, o combustível no Brasil pode ter reajustes ou reduções diárias.

20 Jun 2018 - 11:30h

O consumidor deve preparar o bolso porque a conta de luz vai ficar mais cara nos próximos meses, reflexo das previsões de menos chuvas na região dos reservatórios das hidrelétricas, principal fonte de geração de energia do país. Com isso, entra em vigor a chamada bandeira vermelha – mecanismo criado para sinalizar ao cliente eventuais reduções na oferta de energia. A bandeira tarifária vermelha nível 2, que já foi acionada em junho, acrescenta 5 reais às contas de luz a cada 100 kilowatts-hora consumidos. “Significa dizer que haverá um adicional de 1,5% no valor da tarifa”, calcula Guilherme Medeiros, responsável pela regulação e tarifas da Thymos Energia. De acordo com ele, o acréscimo deve ser pago pelos consumidores até novembro, quando começam as chuvas e as cobranças tendem a voltar para a bandeira verde. “Nós esperamos que a bandeira vermelha 2 continue até o fim do ano”, diz relatório do banco UBS. De acordo com a Veja, o sistema de bandeiras – verde, amarela, vermelha 1 e vermelha 2 – é usado para indicar o patamar tarifário da conta de luz. Exceto pela verde, na qual não há cobrança extra, a tarifa fica mais cara na vigência das demais. A medida é uma forma de compensar o acionamento das usinas termoelétricas, cuja operação é mais cara, em momentos em que os reservatórios estão em níveis baixos.

13 Jun 2018 - 11:30h

A maioria dos brasileiros pretende se aposentar antes dos 65 anos. É o que mostra pesquisa da Federação Nacional de Previdência Privada (Fenaprevi) com o Instituto Ipsos. Como a reforma da Previdência não foi aprovada, o Brasil não possui uma idade mínima para a aposentadoria. Aqui, os trabalhadores podem se aposentar cumprindo apenas tempo mínimo de contribuição ao INSS – 30 anos (mulheres) e 35 anos (homens). O texto da reforma previa aposentadoria aos 62 anos (mulheres) e 65 anos (homens). De acordo com o levantamento, 51% esperam deixar o mercado de trabalho com até 65 anos. Desse grupo, 9% gostariam de se aposentar com 50 anos ou menos, 11% têm a expectativa de que isso ocorra entre os 51 e 59 anos e 28% esperam que a aposentaria venha aos 60 anos. Apenas 3% dos entrevistados pretendem deixar o emprego entre 61 e 64 anos. Entre os 49% restantes, 15% querem se aposentar com 65 anos, 5% com mais de 65 anos e 10% não pensaram nisso ainda. Outros 2% dizem que não vão se aposentar nunca e 17% não sabem.