Achei Sudoeste

BUSCA PELA CATEGORIA "Economia"

16 Ago 2017 - 08:30h

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, anunciou nesta terça-feira (15) a nova meta fiscal do governo para 2017 e 2018, que prevê rombo de R$ 159 bilhões para cada ano. Atualmente, o Palácio do Planalto tem autorização do Congresso Nacional para que o déficit nas contas públicas fique em até R$ 139 bilhões, em 2017, e em até 129 bilhões, em 2018. O governo federal vai precisar encaminhar à Câmara e ao Senado um novo projeto que passe a autorizar que suas despesas superem a arrecadação com impostos e contribuições em até R$ 159 bilhões. O anúncio de uma nova meta já era aguardado, mas sofreu sucessivos adiamentos ao longo dos últimos dias.

10 Ago 2017 - 17:30h

O ganho real da poupança (descontada a inflação) é o melhor dos últimos 11 anos no acumulado de janeiro a julho, mostram cálculos feitos pelo economista Einar Rivero, da provedora de serviços financeiros Economatica, nesta quarta-feira (9). A rentabilidade acumulada da caderneta no acumulado de 2017 foi de 4,25%, enquanto a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi de 1,43% no mesmo período. O índice de julho, divulgado nesta quarta-feira, mostrou que a inflação em 12 meses foi a menor desde 2009. A poupança rende 0,5% ao mês (ou 6,17% ao ano), mais a taxa referencial (T.R.), atrelada à taxa básica de juros (Selic). “O ganho real do poupador nos sete meses de 2017 é portanto de 2,79%, que é o melhor desempenho da poupança nos sete primeiros meses desde 2006, quando o ganho real do poupador foi de 3,04%”, diz Rivero. Segundo a Economatica, desde 1995 – um ano após o plano Real – somente cinco anos foram melhores que o de 2017 no acumulado até julho.

10 Ago 2017 - 16:30h

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 0,24% no mês de julho em relação a junho, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (9) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O maior impacto veio do aumento das contas de luz. Ainda assim, foi o menor resultado para julho desde 2014, quando o índice ficou em 0,01%. No acumulado em 12 meses, o índice foi para 2,71%, abaixo do piso da meta de inflação estipulada pelo governo pela primeira vez desde março de 2007, nesta base de comparação. O piso da meta é de 3% ao ano (1,5 ponto percentual abaixo do centro da meta, que é de 4,5% ao ano). Este patamar foi o menor para 12 meses desde fevereiro de 1999, quando o índice acumulou 2,24%.

10 Ago 2017 - 11:30h

O presidente Michel Temer (PMDB) sancionou, com vetos, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2018. A LDO estabelece as metas e prioridades do governo para o ano seguinte e orienta a elaboração da lei orçamentária anual. O texto sancionado está publicado na ediçãode ontem (9) do Diário Oficial da União. O texto sancionado mantém a meta fiscal proposta pelo governo e prevê, para 2018, um deficit primário de 131,3 bilhões de reais para o conjunto do setor público consolidado (que engloba o governo federal, os estados, municípios e as empresas estatais), sendo 129 bilhões de reais para os orçamentos Fiscal e da Seguridade Social da União e 3,5 bilhões de reais para o Programa de Dispêndios Globais. De acordo com a Veja, a LDO estipula o aumento do salário mínimo de 937 para 979 reais. Também projeta um crescimento real da economia brasileira de 2,5%, taxa básica de juros (Selic) em 9%, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 4,5% no ano e o dólar a 3,40 reais no fim de 2018. Essa será a primeira LDO a entrar em vigor após aprovação do teto de gastos públicos, que atrela os gastos à inflação do ano anterior, por um período de vinte anos. 

09 Ago 2017 - 16:30h

O Brasil gerou 35.900 vagas formais de emprego em julho deste ano, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados pelo Ministério do Trabalho nesta quarta-feira (9). No mês passado, foram registradas 1.167.770 contratações ao mesmo tempo que ocorreram 1.131.870 demissões de trabalhadores com carteira assinada. De acordo com o G1, esse foi o quarto mês consecutivo com criação de vagas com carteira assinada e também, a primeira vez, desde 2014 em que as contratações superaram as demissões no mês de julho. Segundo dados oficiais, foi o melhor mês de julho em quatro anos. No mesmo mês de 2015 e do ano passado, respectivamente, foram fechadas 157.905 e 94.724. Em julho de 2014, por sua vez, foram abertas 11.796 empregos com carteira assinada.

09 Ago 2017 - 14:30h

A Bahia foi o estado que teve a maior queda na produção industrial entre maio e junho de 2017. Nesse período, a produção no estado teve queda de 10%. Mas os números negativos não param por aí. Em relação ao que foi produzido em junho do ano passado, o cenário também foi de queda, dessa vez de 10,9%. Os dados da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Regional, divulgada na terça-feira (8), mostram que a indústria baiana já acumula quedas consecutivas há 16 meses seguidos. A última vez em que o setor cresceu no estado, na comparação de um mês com o mesmo período do ano anterior, foi em fevereiro de 2016, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

08 Ago 2017 - 15:30h

O mercado financeiro ajustou pela terceira semana seguida a projeção para a inflação este ano, após o aumento da tributação sobre combustíveis. Desta vez, a estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu de 3,40% para 3,45%. O percentual consta do boletim Focus, uma publicação divulgada no site do Banco Central (BC) todas as semanas, com números dos principais indicadores econômicos. De acordo com Agência Brasil, para 2018, a projeção para o IPCA é mantida de 4,20% há três semanas consecutivas. Mesmo com o aumento na projeção para este ano e manutenção para 2018, as estimativas para a inflação permanecem abaixo do centro da meta de 4,5%, que deve ser perseguida pelo BC. Essa meta tem ainda um intervalo de tolerância entre 3% e 6%. Para alcançar a meta, o BC usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 9,25% ao ano. Quando o Copom aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

07 Ago 2017 - 16:30h

O mercado financeiro elevou pela terceira semana consecutiva sua estimativa de inflação para este ano e passou a estimar uma queda maior nos juros, informou nesta segunda-feira (7) o Banco Central, no relatório conhecido como Focus. De acordo com o levantamento do BC, a inflação deste ano deve ficar em 3,45%, na mediana. A pesquisa ouviu mais de 100 instituições financeiras na semana passada. No relatório anterior, feito com base nas previsões coletadas pelo Banco Central na semana retrasada, os economistas estimavam que a inflação ficaria em 3,40%. O movimento acontece após a alta da tributação sobre combustíveis, anunciada recentemente pelo governo para tentar aumentar a arrecadação e alcançar a meta fiscal de 2017. Apesar da alta, a nova previsão mantém a inflação abaixo da meta central para o ano, que é de 4,5%. A meta de inflação é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) e deve ser perseguida pelo Banco Central, que, para alcançá-la, eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic). A meta central de inflação não é atingida no Brasil desde 2009. À época, o país ainda sentia os efeitos da crise financeira internacional de forma mais intensa. De acordo com o G1, para 2018, a previsão do mercado financeiro para a inflação ficou estável em 4,20% na última semana. O índice segue abaixo da meta central (que também é de 4,5%) e do teto de 6% fixado para o período.

05 Ago 2017 - 11:30h

A Petrobras irá reajustar os preços do GLP P-13, o gás de cozinha em botijões para uso residencial, em 6,9% a partir deste sábado, informou a estatal em comunicado na sexta-feira (4). Conforme a Petrobras, o ajuste anunciado foi aplicado sobre os preços praticados sem incidência de tributos. Segundo a estatal, se o reajuste for integralmente repassado ao consumidor, a companhia estima que o preço do botijão de GLP P-13 pode ser reajustado, em média, em 2,2%, ou cerca de R$ 1,29 por botijão, mantidas as margens de distribuição e de revenda e as alíquotas de tributos.

29 Jul 2017 - 08:30h

O preço médio do litro da gasolina nas bombas subiu 8,22% na primeira semana após a elevação dos impostos sobre os combustíveis, segundo levantamento semanal da Agência Nacional de Petróleo (ANP). Na mesma semana, a Petrobras elevou os preços nas refinarias em 3,91%. Foi o primeiro aumento no preço médio após 10 semanas seguidas de queda. A alta para o consumidor, no entanto, é menor do que a prevista pelo governo ao anunciar a elevação do PIS e Cofins para os combustíveis. Os preços subiram, na média, R$ 0,285, contra previsão de R$ 0,41 do governo. O preço médio do diesel, que também foi afetado pela alta de impostos, terminou a semana em alta de 4,69% nas bombas. Na semana, a Petrobras elevou os preços nas refinarias em 3,43%. De acordo com o G1, para o consumidor final, o aumento do preço do diesel também ficou abaixo da previsão do governo. A elevação foi de R$ 0,137, contra estimativa de R$ 0,21.

29 Jul 2017 - 08:00h

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou na sexta-feira (28) que durante o mês de agosto vai vigorar a bandeira tarifária de cor vermelha, patamar 1. Isso significa que aumentará para R$ 3 o valor da taxa extra cobrada para cada 100 kWh de energia consumidos. Ao longo do mês de julho, vigorou a bandeira amarela, que implica na cobrança de R$ 2 para cada 100 kWh consumidos. A evolução das cores da bandeira aponta que o custo de produção de energia no país subiu. Isso ocorre porque a falta de chuvas reduziu o armazenamento dos reservatórios das hidrelétricas, que passam a produzir menos eletricidade. De acordo com o G1, para compensar a queda na produção das hidrelétricas, o governo aciona mais termelétricas. Entretanto, essas usinas geram energia mais cara, por meio da queima de combustíveis como óleo e gás natural. É para cobrir o custo extra com o uso de mais termelétricas que a bandeira tarifária mudou para patamar mais alto.

27 Jul 2017 - 17:12h

O pagamento do Abono Salarial calendário 2017/2018, ano-base 2016, começará a ser pago pela Caixa Econômica Federal (CEF) nesta quinta-feira (27). Os pagamentos serão efetuados de acordo com o mês de nascimento dos trabalhadores, iniciando com os nascidos em julho. Os beneficiários deste mês, titulares de conta individual na Caixa com saldo superior a R$ 1,00 e movimentação, terão crédito automático. Segundo informações da Agência Brasil, os valores variam de R$ 79 a R$ 937, a depender do tempo de trabalho durante o ano de 2016. Eles ficarão disponíveis para saque até 29 de junho de 2018. Para ter direito ao serviço, o trabalhador precisa estar inscrito no Programa de Integração Social (PIS) ou no Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) há pelo menos cinco anos e ter trabalhado formalmente pelo período mínimo de 30 dias em 2016, tendo remuneração mensal média de até dois salários mínimos. Aqueles trabalhadores que não sacaram o Abono Salarial calendário 2016/2017 até o dia 30 de junho terão agora uma nova chance. Para eles, o recurso ficará disponível de 27 de julho a 28 de dezembro de 2017.

26 Jul 2017 - 10:30h

O presidente Michel Temer (PMDB) assinou na última terça-feira (25) três medidas provisórias sobre a exploração mineral. As medidas mudam pontos das regras de mineração, alteram alíquotas de impostos e criam uma agência regulatória para o setor. A primeira MP determina 23 ajustes no Código de Mineração, com as quais o governo espera estimular a atividade do setor, projetando elevar sua participação dos atuais 4% do Produto Interno Bruto (PIB) para 6%. De acordo com a Veja, entre as medidas previstas está a ampliação do prazo a realização de pesquisas, que atualmente é de um a três anos, e passará a ser de dois a quatro anos. Com o intuito de acabar com as filas para a obtenção de direitos de prioridade para pesquisas, o governo afirma que “qualquer fase ou exigência” não cumprida pode tornar as áreas disponíveis para leilão eletrônico. Segundo Temer, o novo marco da mineração dá um passo decisivo para modernizar leis do setor mineral e com isso vai atrair novos investimentos. “A atividade mineradora transforma recursos minerais em riqueza e bem-estar”, disse. “É um setor que emprega 180 mil pessoas diretamente e outras centenas de indiretos”.

25 Jul 2017 - 15:30h

Mesmo após as turbulências políticas, a taxa Selic deve voltar a ser de um dígito após quase quatro anos. A aposta dos analistas de mercado é que o Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central deve fazer uma redução de 1 ponto porcentual após a reunião de quarta-feira (26), reduzindo a taxa básica de juros de 10,25% para 9,25%. A avaliação é de que a inflação continuará em queda, mesmo com turbulências políticas e o aumento de impostos anunciado na última semana.  A estimativa do mercado financeiro é que a Selic encerre este ano e o próximo em 8%, segundo dados do último Boletim Focus.

25 Jul 2017 - 10:30h

O governo federal deve editar nos próximos dias uma medida provisória para criar um programa de demissão voluntária (PDV) para os servidores públicos do Poder Executivo, informou o Ministério do Planejamento na segunda-feira (24). De acordo com o ministério, quem aderir terá direito a receber 1,25 salário para cada ano trabalhado. Além disso, informou o Planejamento, está sendo preparada uma proposta de implementação da jornada de trabalho reduzida. De acordo com o G1, ela vai permitir que, ao invés de 8 horas diárias e 40 horas semanais, os servidores possam optar por: trabalhar 6 horas diárias e 30 semanais; trabalhar 4 horas diárias e 20 semanais. Neste caso, o servidor terá o salário cortado na mesma proporção da redução da jornada de trabalho. “Será assegurado ainda, a quem optar pela redução de jornada, o pagamento adicional de meia hora diária, calculada conforme regulamentação a ser editada pelo Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão”, informou o ministério em nota.

21 Jul 2017 - 12:30h

O governo anunciou na quinta-feira (20) o aumenta da tributação sobre os combustíveis e um bloqueio adicional de R$ 5,9 bilhões em gastos no orçamento federal. Em nota, os ministério da Fazenda e do Planejamento informaram que será elevada a alíquota de PIS e Cofins sobre os combustíveis. De acordo com o G1, o aumento começa a valer nesta sexta (21). Segundo o governo, a tributação sobre a gasolina subirá R$ 0,41 por litro. Com isso, a tributação mais que dobrou e deve passar a custar aos motoristas R$ 0,89 para cada litro de gasolina, se levada em consideração também a incidência da Cide, que é de R$ 0,10 por litro. A tribuntação sobre o diesel subirá em R$ 0,21 e ficará em R$ 0,46 por litro do combustível. Já a tributação sobre o etanol subirá R$ 0,20 por litro.

18 Jul 2017 - 13:30h

O Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, teve um crescimento de 0,49% no trimestre encerrado em maio na comparação com o trimestre fechado em fevereiro. No entanto, em relação ao trimestre encerrado em maio de 2016, o PIB não teve variação. De acordo com a Agência Brasil, os dados foram divulgados hoje (18), no Rio de Janeiro, pelo Monitor do PIB, da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Analisando-se apenas maio, houve queda de 0,9% na comparação com abril e alta de 0,7% em relação a maio do ano passado.

18 Jul 2017 - 10:30h

O mercado de trabalho brasileiro abriu 9.821 novos postos em junho, variação de 0,03% em relação ao mês anterior. Essa é a terceira expansão consecutiva e a quarta registrada no ano, segundo informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego, divulgadas na última segunda-feira (17). Para o ministro do Trabalho e Emprego, Ronaldo Nogueira, os dados mostram que “a economia dá sinais de recuperação”. “É melhor que seja gradual, em patamares menores, do que termos uma bolha. Isso nos dá a sinalização de que a economia se recupera de forma positiva”, afirmou. O resultado do Caged é resultado da diferença de 1.181.930 admissões e 1.172.109 demissões. No acumulado do ano, o saldo alcançou 67.358 vagas de emprego abertas. No mesmo período do ano passado, o saldo foi negativo, com 531.765 postos de trabalho fechados a mais que abertos. De acordo com a Agência Brasil, o resultado acumulado nos últimos 12 meses ainda aponta uma redução de 749.060 postos de trabalho. 

17 Jul 2017 - 15:30h

Uma pesquisa da empresa de recuperação de crédito Recovery, feita pelo Data Popular, mostra que hoje o brasileiro inadimplente deve, em média, três vezes o que ganha e, em alguns casos, acumula até 20 dívidas diferentes. A maior parte das dívidas foi feita nos últimos três anos – período que coincide com o agravamento da crise econômica. De 2014 para cá, a taxa de desemprego mais que dobrou, atingindo 14 milhões de brasileiros. Ao mesmo tempo, a população teve de conviver com a disparada da inflação, escassez de crédito e juro alto. Foi uma combinação perfeita para o aumento da inadimplência (contas em atraso por mais de três meses), que hoje atinge um contingente de 61 milhões de brasileiros. “É metade da população economicamente ativa”, afirma o presidente da Recovery, Flavio Suchek. O número de inadimplentes é o maior em pelo menos cinco anos – início do indicador de Inadimplência do Consumidor da Serasa Experian. “Diferentemente de outros períodos, a inadimplência elevada não é resultado de excesso de endividamento – até porque a carteira de crédito está em queda”, diz Luiz Rabi, economista da Serasa Experian. “Não é que o brasileiro está se endividando além da conta, é justamente o impacto da crise, com o desemprego em nível recorde. Não é que ele não quer pagar – ele não tem é dinheiro”. As informações são da Veja.

17 Jul 2017 - 14:30h

O mercado financeiro voltou a reduzir as projeções para a Selic e estima que a taxa básica de juros fechará 2017 em 8%. Os dados são do Boletim Focus, divulgado nesta segunda-feira pelo Banco Central É a segunda semana seguida de recuo nas previsões, após três meses de estabilidade nas apostas. A estimativa para 2018 também é de Selic em 8%. A taxa de juros está atualmente em 10,25%, e o Comitê de Política Monetária (Copom), do BC, se reunirá na terça (25) e quarta (26) da próxima semana para decidir sobre a Selic. Os quatro indicadores de inflação monitorados pelo Focus também tiveram queda nas expectativas. Dentre eles, o IPCA, índice oficial de inflação do país, caiu de 3,3% para 3,29%, o sétimo recuo semanal seguido. Para 2018, a queda foi de 4,24% para 4,20% no índice medido pelo IBGE. A meta para ambos os anos é de 4,5%, com tolerância de 1,5 ponto porcentual. A inflação em queda é um dos fatores que tem levado o Copom a reduzir os juros. As projeções do crescimento do PIB para esse ano permaneceram estáveis em 0,39%, enquanto a estimativa para 2018 caiu pela oitava semana seguida, de 2,10% para 2%, segundo o Focus.