Achei Sudoeste




I Seminário da Cultura do Algodão em Brumado

26 Out 2013 - 15:00h

Aconteceu na última sexta-feira (25), no auditório do Serviço Municipal de Atendimento ao Cidadão (SEMAC), em Brumado o I Seminário da Cultura do Algodão. O evento contou com a presença do prefeito Aguiberto Lima Dias (SDD), do deputado e produtor de algodão em Guanambi, João Bonfim (PDT), representantes de associações, pequenos produtores das comunidades rurais do município e demais autoridades de diversos órgãos das esferas estadual e federal. Em entrevista ao site Brumado Notícias, Armando Nascimento, diretor de defesa vegetal da ADAB, que coordenada todas as áreas fitossanitárias do estado, explicou que a exemplo de Brumado uma série de seminários está sendo realizada em toda a região sudoeste com o intuito de fomentar e estruturar a cadeia produtiva do algodão. Armando destacou que a região sudoeste tem uma vocação para produção do algodão, principalmente no que diz respeito à agricultura familiar. Segundo o diretor, o estado, através da ADAB, EBDA, ABAPA e Fundação Bahia, têm trazido novas tecnologias, variedades e métodos de plantio com vistas a aprimorar os cuidados fitossanitários com a produção do algodão. 

Armando relatou ainda que pragas como bicudo e cochonilha devastaram a produção na região nos anos 90, mas com a descoberta das novas tecnologias e métodos de prevenção o cultivo do algodão tem ganhado mais força entre os produtores. Estes estão utilizando sementes adaptadas à região do sertão baiano. “O algodão da região sudoeste é famoso pela sua qualidade e se tornou um fomento para outras cadeias produtivas”, reforçou Nascimento.  O português Paulo Mota, vice-presidente da ABAPA, destacou que nos últimos anos a entidade tem se preocupado com o cultivo do algodão para melhorar a renda do pequeno produtor. Entusiasmado com evento, o secretário municipal de agricultura, Federico Neves, também apontou que, além do algodão, o município tem buscado parcerias para outros cultivos que deem suporte e renda ao agricultor. “Temos procurado parcerias com todos os órgãos da esfera estadual e federal e estamos priorizando algumas cadeias produtivas como a bovinocultura de leite, fruticultura do umbu, algodão, feijão e milho e outras cadeias de auxílio em parceira com a EBDA e a patrulha agrícola no campo, que irão beneficiar cerca de 300 pequenos produtores”, concluiu Neves.