Achei Sudoeste

BUSCA PELA CATEGORIA "Saúde"

16 Mai 2019 - 16:30h

Nesta terça-feira, 14, a Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou novas diretrizes a respeito de como reduzir os riscos de desenvolver declínio cognitivo – condição que pode levar à demência. O relatório, baseado em décadas de pesquisas, revelou que sedentarismo, consumo excessivo de álcool, tabagismo e dieta desequilibrada estão entre os hábitos que aumentam significativamente os riscos de Alzheimer – doença neurodegenerativa que pertence ao espectro da demência. Condições médicas como diabetes, hipertensão, obesidade e colesterol alto também desempenham papel no desenvolvimento do declínio cognitivo na vida adulta. “Enquanto algumas pessoas são desafortunadas e herdam uma combinação de genes que torna altamente provável que desenvolvam demência, muitas pessoas têm a oportunidade de reduzir substancialmente seus riscos vivendo um estilo de vida saudável”, disse Tara Spiers-Jones, do Instituto de Pesquisas em Demência do Reino Unido, à CNN.  A nova diretriz recomenda a prática de pelo menos 150 minutos de exercício moderado por semana, além de atividades de fortalecimento muscular. A entidade ainda incluiu nas orientações uma alimentação balanceada, com ingestão de 400 gramas de frutas e vegetais diariamente e redução do consumo de açúcar em 10% e o de gordura em 30%. Outra orientação é participar de atividades que estimulem o cérebro, como aprender um novo idioma, e evitar o isolamento social. O relatório ainda aconselha evitar suplementos alimentares, como vitaminas do complexo B, antioxidantes, ômega-3 e ginkgo biloba, já que não existem evidências suficientes de que elas trazem benefícios de longo prazo.

16 Mai 2019 - 08:30h

O termo gengivite refere-se à inflamação limitada aos tecidos moles que circundam o dente. A maioria dos casos ocorrem devido à falta de higiene bucal adequada, favorecendo o acúmulo de placa dental e cálculo (tártaro), porém, muitos outros fatores podem influenciar a vulnerabilidade da gengiva. Os sinais clínicos da gengivite, geralmente, são: vermelhidão do tecido gengival, bem como alterações no seu contorno, sangramento a um estímulo e presença de cálculo ou placa bacteriana sem evidências radiográficas de perca óssea. Entretanto, se a gengivite não for tratada, ela pode evoluir para uma periodontite e causar danos permanentes aos dentes. Sendo assim, destaca-se a importância da avaliação com um cirurgião-dentista para maiores esclarecimentos. 

14 Mai 2019 - 14:30h

Já é sabido que alguns hábitos do dia a dia aumentam o risco de desenvolver diversas doenças, incluindo a osteoporose – condição que deixa os ossos fracos e quebradiços. Entre os hábitos que podem tornar o indivíduo mais propenso a desenvolver esse problema ósseo estão o tabagismo e o alcoolismo. Apesar disso, pouco se sabe a respeito dos mecanismos envolvidos nesse enfraquecimento. Recentemente, pesquisadores americanos descobriram um mecanismo celular capaz de explicar porque esses hábitos interferem na saúde dos ossos. De acordo com o estudo publicado no FASEB Journal, o consumo de álcool e cigarro pode ativar uma célula do sistema imunológico, levando-a a se transformar em outra modalidade de célula cuja função é reabsorver os ossos. Esse processo é desencadeado quando a mitocôndria, parte da célula responsável pela respiração celular, fica sob stress – o que, segundo a equipe, é o que provavelmente acontece no organismo ao fumar e beber.

14 Mai 2019 - 07:30h

A dieta cetogênica propõe reduzir a quantidade de carboidratos consumidos e aumentar consideravelmente o consumo de gorduras e elevar um pouco a ingestão de proteínas. Estas mudanças são realizadas com o objetivo de perda de peso, isto porque os carboidratos são a principal fonte de energia do organismo, já que por meio deles é obtida a glicose, quando isto é realizado o corpo precisa retirar a energia de outras fontes, a segunda opção é a reserva de gordura que o nosso corpo possui, quando esta reserva de gordura é queimada consequentemente a pessoa emagrece. No entanto, o problema é que essa queima de gordura também leva a liberação de substâncias chamadas de corpos cetônicos, que em excessos causam enjoos e náuseas. Como funciona?

A dieta cetogênica costuma ser composta por 10 a 15% de carboidratos, 50% de gorduras e 30% de proteínas. Mas devemos levar em consideração a qualidade desses macronutrientes presentes na alimentação. Alguns estudos feitos acreditam em sua eficácia com o tratamento do câncer, isso acontece devido ao fato de que enquanto células normais conseguem entrar em Cetose ou seja, usar ácidos graxos no lugar da glicose como fonte de energia, enquanto não há o consumo de carboidratos as células cancerígenas são incapazes de fazer o mesmo. Porém, por mais que o corpo não esteja ingerindo glicose via alimentação, ainda há produção de glicose pelas células e aparentemente as células cancerígenas conseguem viver e se reproduzir nessas condições. Por isso não há uma comprovação se esse tipo de dieta colabora para quem sofre com o câncer, e mais estudos maiores precisam ser conduzidos para se chegar em uma conclusão sobre o tema. Existem as vantagens e desvantagens em relação a dieta cetogênica. Vantagens: Emagrecimento rápido: a única vantagem da dieta cetogênica é que ela proporciona a perda de peso rápida. Isto porque ao reduzir drasticamente o consumo de carboidratos o corpo fica sem sua principal fonte de energia. Então, o organismo irá utilizar o glicogênio, pequena reserva de energia que fica no músculo e fígado. E isto leva consequentemente a perda de peso mais rápida. Desvantagens: Fadiga e dores de cabeça, dificuldade de concentração, afeta o humor, pode causar hipoglicemia, pode causar perda de músculos, e pode aumentar os níveis de colesterol. Porém nem todas as pessoas podem optar por esse tipo de dieta, precisa-se de uma avaliação individual e nutricional do indivíduo para melhor orientação, procure seu nutricionista para melhores informações e recomendações. Agende sua consulta. A prevenção é a melhor forma de cuidar da sua saúde! Para maiores informações, ligue: (77) 3441-4545 / (77) 99951-4755 / (77) 99180-9496 / (77) 3441-4500 / (77) 99989-6868.

CONTINUE LENDO

12 Mai 2019 - 09:00h

Com o objetivo de facilitar a marcação de consultas, a Clínica Mais Vida criou um quadro com as datas de atendimento dos especialistas e procedimentos. A clínica funciona de segunda a sábado. Confira o quadro acima e marque a sua consulta através dos telefones (77) 3441-4545 / (77) 99951-4755 / (77) 99180-9496 / (77) 3441-4500 / (77) 99989-6868. A nossa matriz está localizada na Avenida Otávio Mangabeira, 265, e nossa filial na Rua Coronel Paulino Chaves, 160.

10 Mai 2019 - 17:30h

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decretou o recolhimento de cerca de 200 lotes de medicamentos para hipertensão arterial (pressão alta) em todo o país. A medida foi adotada após detecção de impurezas no princípio ativo (sartanas) utilizado na fabricação de remédios como losartana e valsartana. Segundo a entidade, essas impurezas foram classificadas como potenciais carcinogênicos para seres humanos, ou seja, a exposição em longo prazo eleva o risco de desenvolver câncer. A lista de medicamentos e lotes recolhidos pode ser encontrada no site da Anvisa. A agência ainda informou que o recolhimento atinge lotes específicos e é uma estratégia adotada em vários países para os mesmos produtos. No Brasil, foram determinadas 14 suspensões de três insumos (losartana, valsartana e irbesartana) de dez fabricantes internacionais. Para aquelas que o recolhimento foi anunciado, também ficam suspensos a fabricação, importação, distribuição e uso dos insumos farmacêuticos ativos com suspeita de contaminação. A Anvisa ainda estabeleceu a fiscalização de todas as empresas fabricantes de medicamentos contendo ‘sartanas’ disponíveis no mercado brasileiro. Até agora, foram verificadas 29 farmacêuticas e 111 medicamentos comercializados em 2018, com cerca de 200 lotes recolhidos. Entre as companhias com lotes suspensos estão a EMS e a Medley.“É importante notar que essa é uma ação conjunta, que envolve esforços da Anvisa e de todos os fabricantes dos medicamentos, que estão ajudando a detectar quais são os lotes afetados pelo problema e voluntariamente recolhendo os produtos do mercado”, esclareceu Ronaldo Gomes, da área de Inspeção e Fiscalização Sanitária (GGFIS) da Anvisa, em nota.

10 Mai 2019 - 14:30h

Em nenhum outro momento da história se falou tanto de nutrição, emagrecimento, dieta e alimentação como nos dias de hoje. Devido ao fácil acesso às informações pelos meios de comunicação, as pessoas buscam métodos inadequados para ter o corpo que desejam através de dicas de dietas restritivas, sem orientação personalizada e com o foco em emagrecimento rápido. Mas será que existe, e é até mesmo seguro, seguir uma” fórmula mágica”?

A partir deste questionamento deve-se pensar melhor sobre as consequências dessas práticas que são incentivadas e realizadas sem o acompanhamento de um profissional adequado, que na maioria das vezes espalham por aí que existem alguns determinados alimentos tidos como milagrosos, quase mágicos, emagrecedores. O que de fato não existem. As dietas, “regimes”, desafios não individualizados, não propõem reeducação alimentar, gerando emagrecimento a curto prazo, comprometendo a saúde e causando o temido efeito sanfona. É muito comum quando o indivíduo opta por uma dieta extremamente restritiva colocando seu organismo em uma zona de risco, ou seja, podendo comprometer a sua saúde em vez de fazer a reeducação alimentar com acompanhamento do nutricionista. Algumas complicações como: deficiências de vitaminas e minerais importantes, disfunção hormonal, queda de cabelo, desenvolvimento de compulsão alimentar e outros transtornos alimentares (bulimia e anorexia), mau humor, falta de concentração, cansaço, apatia, depressão, transtornos de ansiedade e voltam a engordar em pouco tempo, pesando até mais do que antes de fazer a dieta. Essas dietas sugeridas nas redes sociais, apesar de aparentarem ser eficazes a curto prazo, não são nem de longe as melhores alternativas, pois não promovem uma real mudança no padrão de vida. E por que não funcionam? Nosso organismo ao passar por uma grande privação, ativa mecanismos de defesa e depois de um certo tempo tende-se a interromper o emagrecimento, causando também diversos desequilíbrios hormonais e outras carências nutricionais. Além disso, é muito difícil alguém se adaptar a viver uma vida de severas restrições, privações. É preciso ter em mente que se o seu objetivo é o emagrecimento, este deve ter o foco principal em saúde e deve ser acompanhado por um Nutricionista, que fará avaliações e indicará estratégias individualizadas, através da reeducação alimentar que tem como base uma alimentação equilibrada. Maiana Luz Chaves - nutricionista clínica e esportiva com ênfase em fisiologia do exercício. Agende sua consulta. A prevenção é a melhor forma de cuidar da sua saúde! Para maiores informações, ligue: (77) 3441-4545 / (77) 99951-4755 / (77) 99180-9496 / (77) 3441-4500 / (77) 99989-6868.

CONTINUE LENDO

08 Mai 2019 - 15:30h

A Agência dos Estados Unidos para Alimentos e Medicamentos (FDA) aprovou com restrições o uso no país da primeira vacina contra a dengue, no último dia 1. A Dengvaxia, do laboratório francês Sanofi Pasteur, deverá ser aplicada somente para pessoas com idade de 9 a 16 anos residentes em áreas onde a doença é epidêmica e que já tenham sido antes infectadas. Segundo o jornal The New York Times, a decisão do FDA foi tomada depois de o laboratório Sanofi ter admitido que a vacina pode provocar a forma mais grave de dengue se for aplicada em pessoas que nunca foram contaminadas pela doença. Em nota, a agência informou que os efeitos adversos da vacina são: dor de cabeça, dores nas juntas, fadiga, dor no local da injeção e febre baixa. A frequência desses efeitos foi similar à das pessoas que receberam placebo, durante os testes. A vacina é vendida em outros países, inclusive o Brasil, desde 2015. Dois anos depois, as Filipinas cancelaram a licença do laboratório para vender o produto depois de ter vacinado seus 830.000 estudantes do ensino fundamental. Os mesmos efeitos que o FDA quer evitar, com as restrições impostas, foram constatados no país asiático. No Brasil, em 2017, o laboratório Sanofi Pasteur pediu à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a atualização das informações sobre as restrições à aplicação da vacina. Também propôs alterações na bula do medicamento. Segundo a empresa, para a população indicada, de mais de nove anos de idade e que vive em áreas endêmicas, a vacina preveniu 93% dos casos severos e reduziu 80% das internações hospitalares durante os 25 meses de estudos em 10 países.

07 Mai 2019 - 14:30h

Na atualidade o ritmo acelerado dos acontecimentos, a pressão excessiva no ambiente de trabalho e a preocupação em cumprir com todas as responsabilidades, têm causado nas pessoas um alto nível de estresse, ansiedade e situações nas quais se faz necessária a ajuda de pessoas especializadas a fim de evitar reações que possam resultar em atitudes às vezes com resultados irreversíveis. Porém, acompanhado de todos esses fatores e da difícil aceitação da necessidade de auxilio, as pessoas ainda enfrentam o preconceito da sociedade em relação às doenças mentais, tornando ainda mais complexa a situação. É de extrema necessidade que o tabu e o preconceito relativos às doenças mentais sejam abolidos, demonstrando que os transtornos podem ocorrer sem distinção de classe social, idade, orientações sexuais ou identidades de gênero. Camila Alvarenga, psicóloga da Clínica Mais Vida destaca que a saúde mental deve ser uma parte integrante e essencial da saúde, sendo de vital importância se investir em ações voltadas a manutenção do bem-estar mental. Saber reconhecer os sinais de alerta em si mesmo ou em alguém próximo a você pode ser o primeiro e mais importante passo. Por isso, fique atento(a).  Se a pessoa demonstrar comportamento diferente procure ajudá-la. Agende sua consulta. A prevenção é a melhor forma de cuidar da sua saúde! Para maiores informações, ligue: (77) 3441-4545 / (77) 99951-4755 / (77) 99180-9496 / (77) 3441-4500 / (77) 99989-6868.

05 Mai 2019 - 10:00h

Com o objetivo de facilitar a marcação de consultas, a Clínica Mais Vida criou um quadro com as datas de atendimento dos especialistas e procedimentos. A clínica funciona de segunda a sábado. Confira o quadro acima e marque a sua consulta através dos telefones (77) 3441-4545 / (77) 99951-4755 / (77) 99180-9496 / (77) 3441-4500 / (77) 99989-6868. A nossa matriz está localizada na Avenida Otávio Mangabeira, 265, e nossa filial na Rua Coronel Paulino Chaves, 160.

02 Mai 2019 - 18:30h

Não é novidade que a amamentação é extremamente importante para o desenvolvimento do bebê e para o vínculo entre mãe e filho. Agora, um novo estudo conduzido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) mostra que o aleitamento materno protege contra a obesidade infantil. Principalmente quando esta é a forma exclusiva de alimentação do bebê nos primeiros seis meses de vida. De acordo com o estudo, crianças que nunca foram amamentadas tinham uma probabilidade 22% maior de serem obesas. Para as crianças que mamaram por menos de seis meses, o risco caiu para 12%, mas ainda existiu. Por outro lado, aquelas que foram exclusivamente alimentadas pelo leite materno no primeiro semestre de vida corriam um risco 25% menor de obesidade. “Precisamos de mais medidas para incentivar o aleitamento materno, como a licença maternidade remunerada. Precisamos de um marketing menos inapropriado de fórmulas [leite em pó para bebês], que podem levar algumas mães a acreditarem que elas são tão boas para os bebês quanto o leite materno”, disse João Breda, do Escritório Europeu de Prevenção e Controle de Doenças Não Transmissíveis da OMS, ao The Guardian. Os dados são provenientes da análise de 30.000 crianças monitoradas como parte da iniciativa Vigilância da Obesidade Infantil (Cosi, na sigla em inglês) da OMS. Lançada em 2007, a iniciativa é continuamente atualizada e, atualmente, recebe dados provenientes de 40 países, de crianças com idade entre 6 e 9 anos.

02 Mai 2019 - 12:30h

Os exames de ultrassonografia são, sem sombra de dúvidas, uma das formas mais precisas de se detectar enfermidades existentes no corpo humano, pois conseguem visualizar com precisão partes pequenas que outros exames não conseguem, fato que facilita ou completa os diagnósticos médicos. A evolução dos equipamentos para a realização dos exames tem sido fundamental, tendo o profissional que executa o trabalho o comprometimento de acompanhar toda essa modernidade oferecendo aos pacientes a segurança em seus diagnósticos. Na Clínica Mais Vida Adriano Dominguez, profissional altamente qualificado e capacitado, oferece um dos mais modernos serviços de ultrassonografia, permitindo um diagnóstico preciso, com aparelhos de última geração. De segunda a sábado poderão ser realizados exames de ultrassonografia:  Obstétrica, transvaginal, pélvica, abdômen total e superior, parede abdominal, mama, tireoide, bolsa escrotal com doppler, próstata, doppler obstétrico, rins e vias urinárias, bolsa escrotal, morfológica, doppler de vasos carótidas e vertebrais, joelho, parte moles, região cervical, região inguinal, e rins e artérias renais com doppler. Seu médico solicitou uma ultrassonografia? Marque seu exame. Sua saúde irá te agradecer. Agende sua consulta. A prevenção é a melhor forma de cuidar da sua saúde! Para maiores informações, ligue: (77) 3441-4545 / (77) 9.9951-4755 / (77) 9.9180-9496 / (77) 3441-4500 / (77) 99989-6868.

02 Mai 2019 - 11:30h

Após uma cirurgia de 20 horas, médicos do Hospital da Criança de Brasília separaram as gêmeas Lis e Mel, que nasceram ligadas pelo crânio em junho de 2018. Segundo o Estadão, o estado das crianças ainda é considerado muito delicado. A equipe médica ressaltou que a recuperação das pacientes tem superado as expectativas. Uma das gêmeas, Lis, já foi retirada do coma induzido. “Há ainda um longo período pela frente, mas o resultado obtido até o momento é muito bom. Estamos confiantes”, afirmou o anestesiologista da equipe, Luciano Alves Fares. O diagnóstico da condição das gêmeas ligadas pelo crânio (craniópagas) foi feio na 10ª semana de gestação, desde então uma equipe multidisciplinar liderada pelo neurocirurgião Benício Oton de Lima, acompanha o caso. A ideia de fazer a cirurgia de separação foi trabalhada desde a gestação. A estratégia cirúrgica, no entanto, foi definida no primeiro mês de vida dos bebês, a partir de exames que descartaram o risco de drenagem venosa compartilhada, ou seja, indicou que o sistema venoso de cada uma das gêmeas era independente, fato que permitia que a cirurgia fosse feita em apenas uma etapa.

02 Mai 2019 - 10:30h

Entre os tipos de demência, o Alzheimer é o mais conhecido. Entretanto, pesquisadores descobriram uma nova forma de demência que poderia ser ainda mais comum: a doença de Late. De acordo com um estudo, publicado recentemente na revista Brain, a doença tem sintomas semelhantes aos do Alzheimer, como perda da capacidade de memória e pensamento, mas afeta o cérebro de maneira diferente e mais lenta. Segundo os novos achados, cerca de um terço das pessoas com mais de 85 anos apresentam o distúrbio. Isso significa que muitos pacientes podem ter recebido o diagnóstico Alzheimer quando na verdade tinham doença de Late. “[Isso] pode nos ajudar a entender por que alguns testes clínicos recentes para o tratamento do Alzheimer falharam. Os participantes poderiam ter doenças cerebrais levemente diferentes”, comentou James Pickett, da Alzheimer’s Society, no Reino Unido, ao The Telegraph. O erro no diagnóstico ainda indica que as formas de tratar a doença de Late diferem das utilizadas em pacientes com Alzheimer. Ou seja, novas pesquisas precisam ser realizadas para entender o problema e desenvolver um tratamento direcionado. Enquanto isso, cabe aos profissionais de saúde realizar o diagnóstico assertivo. Para ajudá-los, o Instituto Nacional de Envelhecimento dos Estados Unidos lançou  diretrizes que auxiliam na identificação do novo tipo de demência e na compreensão do seu progresso.

01 Mai 2019 - 16:30h

O Ministério da Saúde divulgou, nesta terça-feira (30), um levantamento que indica que quase mil cidades podem ter surto de dengue, zika e chicungunha no país. O primeiro Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) de 2019 indica que 994 municípios apresentaram alto índice de infestação, com risco de surto para as doenças. Os dados foram coletados entre janeiro a março deste ano. A pasta alerta que o sistema de vigilância de estados e municípios e toda a população devem reforçar os cuidados para combater o mosquito. De acordo com o jornal O Globo, ao todo, 5.214 municípios realizaram algum tipo de monitoramento do Aedes aegypti, transmissor dessas doenças. Além das cidades em situação de risco, o levantamento identificou 2.160 municípios em alerta, com o índice de infestação predial (IIP) entre 1% a 3,9% e 1.804 municípios com índices satisfatórios, inferiores a 1%.

01 Mai 2019 - 14:30h

A Clínica Mais Vida, sempre buscando oferecer uma gama maior de especialistas, atendendo a necessidade da população local e da região, firmou parceria com o médico Dr. Paulo Roberto Aguiar Novaes, especialidade que trata das doenças renais. Infelizmente as doenças dos rins, em muitos casos, apresentam poucos ou nenhum sintoma nas suas fases iniciais, o que dificulta o diagnóstico e o início precoce do tratamento, fatores fundamentais para a cura ou a ampliação da qualidade de vida do paciente. Desta forma, mais uma vez, é essencial ressaltar a necessidade de prevenção. Paulo Roberto Aguiar salienta que quando o trabalho do nefrologista é realizado logo no início do desenvolvimento das doenças renais, isso é revertido em resultados primordiais para a saúde e o bem estar do paciente como controle da pressão arterial, diminuição de doenças associadas à falência renal e da perda de função renal ao longo dos anos – dependendo do caso, é possível controlar a doença e eliminar a necessidade de hemodiálise. E o primordial, maior chance de cura, caso a causa da insuficiência renal tenha tratamento. Fala também da necessidade de realização de atividades físicas e dos fatores de riscos como fumar, obesidade, além da vital importância de manter o corpo hidratado, pois não beber água causa um grande prejuízo ao corpo, gerando problemas que só serão sentidos tardiamente. Portanto, pelo menos uma vez ao ano faça uma consulta com o nefrologista para saber da saúde dos seus rins. Previna-se. Agende sua consulta. A prevenção é a melhor forma de cuidar da sua saúde! Para maiores informações, ligue: (77) 3441-4545 / (77) 99951-4755 / (77) 99180-9496 / (77) 3441-4500 / (77) 99989-6868.

29 Abr 2019 - 11:30h

Relatório de entidades ligadas à ONU publicado nesta segunda-feira (29) alerta que o uso excessivo de medicamentos pode levar a 10 milhões de mortes por ano até 2050. As entidades apontam problemas ligados aos remédios antimicrobianos, entre os quais estão antibióticos, antivirais, antifúngicos e antiprotozoários. O uso excessivo deles em humanos, em animais e em plantas está fazendo com que as doenças que seriam por eles tratadas fiquem mais resistentes e causem mais danos. Mas como essa resistência ocorre, em primeiro lugar? A cada vez que uma pessoa toma um antibiótico, por exemplo, as bactérias podem desenvolver formas de resistência a sua fórmula. Quanto mais a pessoa toma antibióticos, maiores as chances de a resistência se desenvolver e levar a uma versão mais grave da doença, às vezes não tratável. As infecções resistentes a remédios já causam, pelo menos, 700 mil mortes todo ano, de acordo com o relatório desta segunda (29). Dessas, 230 mil são por causa da tuberculose multirresistente. No Brasil, entre 40 e 60% das doenças infecciosas já são resistentes a medicamentos, afirmam os especialistas Matthew Stone, da Organização Mundial para Saúde Animal (OIE), e Maria Helena Smedeo, da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

29 Abr 2019 - 10:30h

Que criança não gosta de pular em uma piscina de bolinhas? No entanto, este brinquedo divertido – e aparentemente inofensivo – pode trazer riscos de saúde para os pequenos. Estudo publicado recentemente no periódico científico American Journal of Infection Control indica que as piscinas de bolinhas estão cheias de micróbios capazes de causar doenças. Entre as bactérias encontradas pelos pesquisadores está a Enterococcus faecalis que pode provocar meningite e septicemia (infecção generalizada). “A colonização bacteriana encontrada foi altíssima, chega a atingir milhares de organismos por bola, o que indica um aumento do potencial de transmissão e maior possibilidade de infecção”, disse Mary Ellen Oesterle, principal autora do estudo. Os dados são preocupantes já que este tipo de brinquedos não costuma ser higienizado com frequência. Isso significa que há maior probabilidade de reprodução ao ponto de atingirem um número capaz de representar risco de contaminação para as crianças. Por causa desses achados, a recomendação é que todos os estabelecimentos com piscinas de bolinha revejam os padrões de limpeza para evitar os riscos de contaminação.

28 Abr 2019 - 09:10h

Com o objetivo de facilitar a marcação de consultas, a Clínica Mais Vida criou um quadro com as datas de atendimento dos especialistas e procedimentos. A clínica funciona de segunda a sábado. Confira o quadro acima e marque a sua consulta através dos telefones (77) 3441-4545 / (77) 99951-4755 / (77) 99180-9496 / (77) 3441-4500 / (77) 99989-6868. A nossa matriz está localizada na Avenida Otávio Mangabeira, 265, e nossa filial na Rua Coronel Paulino Chaves, 160.

27 Abr 2019 - 07:45h

Praticar treinos moderados de força durante 15 dias pode diminuir o acúmulo de gordura no fígado, afirma estudo publicado recentemente no periódico científico Journal of Endocrinology. A pesquisa, realizada em camundongos, revelou que mesmo para indivíduos obesos a redução de gordura no fígado pode chegar a 30%. A atividade ainda melhora o controle da glicose já que mantém glicemia em jejum em valores normais. “Todo mundo tem um pouco de gordura no fígado. Mas quando há um acúmulo e ele não é tratado, o quadro pode evoluir para uma inflamação, a esteato-hepatite. Se continuar não tratando, pode até se desenvolver para uma cirrose e, em casos mais extremos, carcinomas (tumores malignos)”, explicou Leandro Pereira de Moura, coordenador da pesquisa, à BBC News Brasil. A descoberta envolveu pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas e da Universidade de São Paulo (USP) em parceria com a Universidade de Harvard e Faculdade de Farmácia e Ciências da Saúde de Massachusetts, ambas nos Estados Unidos.