Achei Sudoeste

BUSCA PELA CATEGORIA "Economia"

16 Dez 2020 - 09:30h

O salário mínimo deve ser reajustado dos atuais R$ 1.045 para R$ 1.088 a partir de 1º de janeiro do próximo ano. O valor consta na proposta da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2021, modificada nesta terça-feira (15) pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Segundo o documento, a correção considera a estimativa da inflação acumulada neste ano, de 4,1%. A proposta será analisada pelo Congresso em sessão marcada para quarta-feira (16). Conforme o projeto, cada R$ 1 a mais no salário mínimo eleva as despesas líquidas em R$ 304,9 milhões no ano. A proposta será analisada pelo Congresso em sessão marcada para quarta-feira (16).

14 Dez 2020 - 16:30h

O valor do Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) será reduzido na Bahia, em 2021, em até 5%, segundo informações divulgadas nesta segunda-feira (14) pela Secretaria da Fazenda do Estado (Sefaz). Segundo o órgão, a redução de 5% vale para os carros de passeio. No caso dos utilitários, o valor do IPVA terá queda de 4,7%, ônibus e micro-ônibus terão desconto de 2,7%, caminhões irão pagar menos 1,8% e, para as motos, a queda é de 1,7%. A redução média é de 3,2%. Os contribuintes têm até 10 de fevereiro para pagar o imposto com desconto de 10%, em cota única. Existe ainda a opção de pagamento com 5% de desconto para quem fizer a quitação do valor integral do imposto no dia do vencimento da primeira das três cotas do parcelamento padrão do imposto, data que varia de acordo com o número final da placa do veículo. Com as reduções, os contribuintes baianos vão pagar em 2021, em média, cerca de 3,2% a menos no valor do IPVA. A portaria determinando os descontos será publicada na edição de terça-feira (15) do Diário Oficial do Estado.

04 Dez 2020 - 09:30h

A Petrobras informou que elevará em 5% o preço médio do GLP, também conhecido como gás de cozinha, desde a quinta-feira (3). Os reajustes são aplicados às distribuidoras. Com isso, o preço médio da Petrobras às revendedoras será equivalente a R$ 33,89 por botijão de 13 kg. Com o reajuste, o produto passa a acumular no ano variação média de 21,9%, ou R$ 6,08 por botijão. “Os preços de GLP praticados pela Petrobras seguem a dinâmica de commodities em economias abertas, tendo como referência o preço de paridade de importação, formado pelo valor do produto no mercado internacional, mais os custos que importadores teriam, como frete de navios, taxas portuárias e demais custos internos de transporte para cada ponto de fornecimento. Esta metodologia de precificação acompanha os movimentos do mercado internacional, para cima e para baixo”, informou a Petrobras.

03 Dez 2020 - 14:30h

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil cresceu 7,7% no 3º trimestre, na comparação com os três meses imediatamente anteriores, confirmando a saída do país da chamada “recessão técnica”, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (3) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A expansão da economia foi recorde no terceiro trimestre, mas ainda insuficiente para recuperar as perdas vistas no ápice da pandemia de coronavírus no país. Em valores correntes, o PIB do terceiro trimestre totalizou R$ 1,891 trilhão. Com o resultado, a economia reverteu parte das perdas com a pandemia, mas a alta foi insuficiente para compensar o colapso do PIB no 1º trimestre (-1,5%) e no 2º trimestre (-9,6%), que mergulhou o país em uma nova crise e provocou um desemprego recorde. O crescimento de 7,7% no 3º trimestre foi o maior já registrado desde que o IBGE iniciou os cálculos do PIB trimestral, em 1996. Até então, a maior taxa tinha sido a do 3º trimestre de 1996 (4,3%). O forte avanço entre os meses de julho e setembro está diretamente relacionado com a base mais fraca de comparação, devido ao tombo histórico registrado entre abril e junho, que foi revisado para uma queda de 9,6%, ante leitura inicial de retração de 9,7%. As consequências da pandemia ainda ficam claras no comparativo anual. Em relação ao 3º trimestre de 2019, o PIB registrou uma queda de 3,9%, a terceira retração seguida nessa base de comparação. Já no acumulado dos quatro trimestres terminados em setembro, houve queda de 3,4% frente aos quatro trimestres imediatamente anteriores.

01 Dez 2020 - 14:30h

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu nesta segunda-feira (30) que haverá cobrança extra na conta de luz dos consumidores a partir desta terça (1º). Em reunião extraordinária, a Aneel decidiu que será cobrada a bandeira vermelha patamar 2, cujo valor é o maior no sistema de bandeiras da agência. Com isso, a cobrança extra será de R$ 6,24 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. Em 26 maio, a Aneel havia anunciado que não haveria cobrança extra na conta de luz até 31 de dezembro deste ano, em razão da pandemia do novo coronavírus. Na reunião desta segunda-feira, contudo, a agência decidiu revogar a decisão e aplicar a bandeira vermelha patamar 2.

19 Nov 2020 - 11:30h

O diretor de Política Monetária do Banco Central, Bruno Serra, avaliou nesta quarta-feira (18) que a economia brasileira deve desacelerar no quarto trimestre devido à redução do valor do auxílio emergencial pago pelo governo a trabalhadores informais durante a pandemia. Ele indicou ainda que a instituição deve atuar para conter a alta do dólar prevista para o fim do ano, causada por um tradicional aumento da demanda neste período, além de mudanças na legislação. Na semana passada, o BC divulgou estimativa que aponta para alta de 9,47% do PIB no terceiro trimestre de 2020.

19 Nov 2020 - 06:00h

A pandemia do novo coronavírus atingiu o turismo global com mais força do que qualquer outro setor econômico importante. Para conter a disseminação do vírus, países fecharam fronteiras e interromperam a circulação aérea e terrestre. Apesar das mudanças em algumas nações, a maioria da população ainda tem receio de pegar aviões ou se deslocar entre os países. No auge desse bloqueio, entre fevereiro e junho deste ano, a Organização Mundial do Turismo das Nações Unidas descobriu que 100 por cento dos destinos globais tinham fechado suas fronteiras para os turistas ou introduzido medidas rígidas, como quarentena obrigatória para os recém-chegados. Esse é um número que tem diminuído, com o deslocamento de turistas. Destinos seguros e agradáveis podem ser encontrados em sites de pesquisa como o 365 dicas. A queda repentina e inesperada nas chegadas de turistas também fez com que os benefícios sociais e econômicos que o turismo oferece diminuíssem consideravelmente. Globalmente, o turismo sustenta um em cada dez empregos e 80% do setor é composto por pequenas empresas, como agências de viagens, bares e hospedagens familiares. No início da crise do novo coronavírus, a Organização Mundial do Turismo das Nações Unidas definiu três cenários possíveis para o turismo em 2020, dependendo de quando e com que extensão as restrições a viagens seriam suspensas. Embora pareça que vamos evitar o pior cenário, as movimentações de turistas globais devem fechar o ano com uma queda de 70% em relação ao ano passado. O efeito indireto será significativo. A Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) estima que os problemas do turismo farão com que o PIB global diminua de 1,5% a 2,8%. A ONU, no entanto, segue apostando no turismo como parte da solução para os problemas econômicos que atingem a maioria das nações no mundo hoje. A pausa no turismo global apresenta à comunidade mundial uma chance de reavaliar suas prioridades. Também nos permite colocar os princípios que são centrais para o trabalho da OMC - a saber, que o turismo trabalha para as pessoas e o planeta, deve estar aberto a todos e beneficiar a todos. A prioridade número um construir confiança e segurança entre os países. Somente fazendo as pessoas se sentirem seguras e encorajando-as a viajar novamente é que os benefícios que o turismo oferece começarão a voltar. A OMT, como agência especializada das Nações Unidas para o turismo, deve liderar esse processo. Para tanto, assim que possível, membros da equipe estarão em países importantes para o turismo no cenário mundial, como Espanha, Itália, França e Oriente Médio. Decidiu-se também realizar uma reunião híbrida do Conselho Executivo da ONU, com 170 delegados de 24 países, que enviaram uma mensagem clara de que viagens internacionais seguras agora são possíveis em muitas partes do mundo, proporcionando assim um impulso vital de confiança para o setor.

11 Nov 2020 - 10:30h

Em setembro de 2020, a produção industrial (de transformação e extrativa mineral) da Bahia, ajustada sazonalmente, avançou 4% frente ao mês imediatamente anterior, após aumentos de 11,2% e 1,6%, respectivamente, em julho e agosto de 2020. As informações fazem parte da Pesquisa Industrial Mensal (PIM) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgadas nesta terça-feira (10) e sistematizadas e analisadas pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia vinculada à Secretaria do Planejamento (Seplan). “Esse resultado é maior do que o nacional, que cresceu apenas 2,6% na mesma base de comparação, e reflete, principalmente, a ampliação do movimento de retorno à produção de unidades produtivas, após interrupções nas atividades por conta dos efeitos causados pela pandemia da Covid-19”, destaca o secretário estadual do Planejamento, Walter Pinheiro. Devido à influência da pandemia do coronavírus, na comparação com igual mês do ano anterior, a indústria baiana assinalou recuo de 1,9%. No acumulado do ano, a indústria registrou queda de 7,0%, em relação ao mesmo período do ano anterior. O indicador no acumulado dos últimos 12 meses apresentou redução de 5,8%, frente ao mesmo período anterior. No confronto de setembro de 2020 com igual mês do ano anterior, a indústria baiana apresentou crescimento em sete das 12 atividades pesquisadas. O setor de Produtos químicos (10,0%) apresentou a principal influência positiva no período, explicada, especialmente, pela maior fabricação de hidróxido de sódio, policloreto de vinila (PVC) e polietileno linear. Outros resultados positivos no indicador foram observados nos segmentos de Produtos alimentícios (9,8%), Bebidas (10,9%), Celulose, papel e produtos de papel (6,1%), Borracha e material plástico (10,6%), Minerais não metálicos (1,7%) e Equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (2,8%). A retração de 1,9% no setor vem das contribuições negativas de Veículos (-21,8%). Outros setores que apresentaram resultados negativos foram: Metalurgia (17,6%), Extrativas (-8,1%), Couro, artigos para viagem e calçados (-8,9%) e Derivados de petróleo (-1,1). “Importante ressaltar no acumulado do ano o resultado positivo assinalado pelo segmento de Derivados de petróleo que registrou aumento de 21,6%, impulsionado pela maior fabricação de óleos combustíveis, naftas para petroquímica e óleo diesel. Celulose, papel e produtos de papel (7,4%), também apresentaram resultados positivo”, destacou o diretor de Indicadores e Estatísticas da SEI, Armando de Castro.

10 Nov 2020 - 11:30h

Os economistas do mercado financeiro elevaram sua estimativa para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do país, de 3,02% para 3,20% em 2020. Essa foi a décima terceira alta seguida no indicador. A expectativa faz parte do boletim de mercado conhecido como relatório “Focus”, divulgado nesta segunda-feira (9) pelo Banco Central (BC). Os dados foram levantados na semana passada em pesquisa com mais de 100 instituições financeiras. No decorrer do ano, com a pandemia do novo coronavírus e a recessão na economia brasileira, o mercado baixou a estimativa de inflação. Nos últimos meses, porém, com a alta do dólar e com a retomada da economia, os preços voltaram a subir. Em setembro, a inflação oficial do país avançou 0,64%, a maior alta para o mês desde 2003. Em outubro, subiu para 0,86%, a maior desde 2002. Apesar da alta, a expectativa de inflação do mercado para este ano segue abaixo da meta central, de 4%, e acima do piso do sistema de metas, que é de 2,5% em 2020. Pela regra vigente, o IPCA pode oscilar de 2,5% a 5,5% sem que a meta seja formalmente descumprida. Quando a meta não é cumprida, o BC tem de escrever uma carta pública explicando as razões. A meta de inflação é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic). Para 2021, o mercado financeiro subiu de 3,11% para 3,17% sua previsão de inflação. No ano que vem, a meta central de inflação é de 3,75% e será oficialmente cumprida se o índice oscilar de 2,25% a 5,25%.

07 Nov 2020 - 21:38h

O Brasil vive mais uma crise econômica agora influenciada pela pandemia provocada pelo novo coronavírus, mas um reforço para economia vai chegar ao bolso dos brasileiros este mês. O décimo terceiro salário vai ser pago até o dia 30 de novembro, a primeira parcela, e a segunda até 20 de dezembro. O montante vai impulsionar o poder de compra e movimentar a economia. De acordo com um estudo feito pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), ao fim de 2020, o pagamento do décimo terceiro salário terá totalizado R$ 208,7 bilhões. O montante é 3,5% menor em relação aos R$ 216,2 bilhões pagos em 2019. Descontada a inflação, o volume injetado na economia apresentará, portanto, um recuo de 5,4% em relação ao total pago em 2019 – maior queda real desde 2012, início do acompanhamento em 2012. A queda acentuada na atividade econômica e o consequente lento recuo no nível de ocupação associado ao avanço da informalidade contribuíram para a queda neste ano. Segundo os cálculos da CNC, o vencimento médio pago em 2020 (R$ 2.192,71) deverá apresentar um recuo de 6,6% ante o valor percebido em 2019 (R$ 2.347,55).

04 Nov 2020 - 08:30h

Os analistas do mercado financeiro elevaram, pela décima segunda semana seguida, sua estimativa de inflação para este ano. Pela primeira vez desde março, a previsão do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, é maior que 3% em 2020. A expectativa faz parte do boletim de mercado, conhecido como relatório "Focus", divulgado nesta terça-feira (3) pelo Banco Central (BC). Os dados foram levantados na semana passada em pesquisa com mais de 100 instituições financeiras. Segundo a pesquisa realizada pelo Banco Central, os analistas dos bancos subiram a estimativa de inflação deste ano de 2,99% para 3,02%. Desde 23 de março deste ano a previsão dos analistas dos bancos para o IPCA não ficava acima de 3%. A redução na estimativa de inflação, no decorrer de 2020, está relacionada à recessão na economia, fruto da pandemia do coronavírus. No início de junho, o mercado chegou a estimar que a inflação seria de 1,52% em 2020 – a metade da previsão atual, de pouco mais de 3%. Nos últimos meses, porém, com a alta do dólar e com a retomada da economia, os preços voltaram a subir. Em setembro, a inflação oficial do país avançou 0,64%, a maior alta para esse período desde 2003. Na prévia de outubro, o IPCA avançou para 0,94%, a maior taxa para o mês em 25 anos. Apesar da alta, a expectativa de inflação do mercado para este ano segue abaixo da meta central, de 4%, e também do piso do sistema de metas, que é de 2,5% em 2020. Pela regra vigente, o IPCA pode oscilar de 2,5% a 5,5% sem que a meta seja formalmente descumprida. Quando a meta não é cumprida, o BC tem de escrever uma carta pública explicando as razões. A meta de inflação é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic). Para 2021, o mercado financeiro subiu de 3,10% para 3,11% sua previsão de inflação. No ano que vem, a meta central de inflação é de 3,75% e será oficialmente cumprida se o índice oscilar de 2,25% a 5,25%.

30 Out 2020 - 11:30h

A economia brasileira criou 313.564 empregos com carteira assinada em setembro, segundo números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta quinta-feira (29) pelo Ministério da Economia. O saldo é a diferença entre as contratações e as demissões. Em setembro, o país registrou 1.379.509 contratações e 1.065.945 demissões. Números oficiais do governo mostram que esse foi o terceiro mês positivo de criação de empregos com carteira assinada. Esse também foi o melhor resultado, para meses de setembro, desde o início da série histórica, em 1992, ou seja, em 29 anos. Até então, o melhor valor, para esse período, havia sido registrado em 2008, quando foram abertas 282.841 vagas com carteira assinada. De janeiro a setembro de 2020, foram fechados 558.597 postos de empregos com carteira assinada, segundo informou o ministério. Segundo o Ministério da Economia, mesmo com o crescimento dos empregos formais nos últimos três meses, ainda não houve recuperação das perdas registradas entre março e maio deste ano - quando foram perdidos 1,594 milhão de empregos. De julho a setembro, foram abertas 697.296 vagas com carteira assinada.

27 Out 2020 - 11:30h

Levantamento do Projeto Salariômetro da Fipe mostra que o home office está cada vez mais na mesa de negociações entre empresas e sindicatos. O total de acordos e convenções coletivas envolvendo o trabalho remoto teve um salto de 236%, levando em conta o ano todo de 2019 e os nove primeiros meses de 2020. Em 2019, houve 884 negociações, enquanto que em 2020, até setembro, o número estava em 2.971. Em relação à proporção dentro do total, o tema trabalho remoto, que esteve em 2,4% das negociações em 2019, saltou para 15,9% neste ano até setembro. O Salariômetro da Fipe projeta para o ano inteiro de 2020 o total de 5,8 mil negociações coletivas envolvendo o trabalho remoto, ou seja, 18,7% de um total de 31 mil.

27 Out 2020 - 10:30h

A Petrobras informou nesta segunda-feira (26) redução do preço médio do diesel em 4% nas refinarias, enquanto a cotação da gasolina cairá 5%, a partir de terça-feira (27). Para a gasolina, foi a segunda redução em outubro, após queda anunciada em meados do mês, quando o diesel ficou estável. De acordo com o G1, na sexta-feira (23), a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) voltou a divulgar o seu levantamento semanal de preços de combustíveis.

16 Out 2020 - 10:30h

O comércio baiano faturou R$ 8,9 bilhões em agosto, em um crescimento de 9,7% na comparação com o mesmo período do ano anterior, de acordo com dados da Pesquisa Mensal do Comércio do IBGE, que foram analisados pela Federação do Comércio de Bens, Serviço e Turismo (Fecomércio-BA). Essa é a segunda alta consecutiva, embora no acumulado do ano o saldo ainda seja negativo, de retração de 12,5%. A Fecomércio-BA acredita na recuperação do comércio devido ao auxílio emergencial, que injetou um montante acumulado de R$ 17 bilhões no Estado. O mês de agosto foi destaque foi para o segmento de eletrodomésticos e eletrônicos que apontou forte alta de 74% na comparação anual. Já a segunda maior elevação no mês foi do setor de móveis e decoração de 51,5%. Neste caso, ainda há uma perda de 2,6% no acumulado de janeiro a agosto. As lojas de materiais de construção tiveram alta de 36,3% na comparação com agosto de 2019. No ano, o resultado é positivo em 8,9%. Parte do resultado está relacionado ao aumento de preços dos produtos de construção civil, como por exemplo o cimento e o tijolo. As atividades de consumo básico como supermercados e farmácias seguem com saldos positivos. O primeiro, por sua vez, registrou crescimento anual de 8,3% e o segundo, 2,5%. Entretanto, o setor de farmácias sofreu um pouco mais na crise e acumula perda no ano de 1,8%, enquanto os supermercados sobem 5,6%. No caminho inverso à média estão três atividades: concessionárias e veículos (-27,2%), vestuário, tecidos e calçados (-19,2%) e “outras atividades” (-12,4%). “Outras atividades” estão relacionadas a baixa demanda de combustíveis para veículos e vestuário com a situação das pessoas ficando mais em casa.

14 Out 2020 - 15:30h

O presidente Jair Bolsonaro assinou nesta terça-feira (13) o decreto que prorroga, até 31 de dezembro, o programa que autoriza empresas a reduzirem proporcionalmente, ou suspenderem, a jornada e o salário dos funcionários. Criado em razão da pandemia do coronavírus, o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEM) foi instituído com uma medida provisória em abril e já tinha passado por outras duas prorrogações. De acordo com o G1, o novo decreto foi publicado no “Diário Oficial da União” desta quarta-feira (14). O prazo atual terminava neste mês, mas o ministro da Economia, Paulo Guedes, já havia anunciado que o programa seria estendido. Como as medidas só valem enquanto durar o estado de calamidade pública, os acordos deverão ser encerrados no último dia de 2020. “Diante do cenário atual de crise social e econômica, e com a permanência de medidas restritivas de isolamento social, faz-se necessária a prorrogação, mais uma vez, do prazo máximo de validade dos acordos”, diz material divulgado pelo Palácio do Planalto.

14 Out 2020 - 14:30h

O volume das atividades turísticas na Bahia caiu 72% no 2º trimestre deste ano, quando comparado ao mesmo período do ano anterior. O resultado mantém a tendência de queda, iniciada no 1º trimestre de 2020 (-5,3%). De acordo com o G1, o resultado no estado foi mais acentuado que à variação nacional -63,8%, que também marcou queda, na mesma análise, de acordo com os resultados da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), realizada pelo IBGE e sistematizados pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI). Em relação à receita nominal das atividades turísticas, a Bahia decresceu 73,3%, seguindo o mesmo comportamento do Brasil (-64,9%). O consumo de energia elétrica nas Atividades Caraterísticas do Turismo (ACTs) na Bahia apontou queda de 44,7% no 2º trimestre de 2020 contra o 2º trimestre de 2019, impactado, principalmente, pela desaceleração em Hotéis (-65,6%). O fluxo doméstico (-93,5%), o fluxo internacional (-99,8%) nos aeroportos da Bahia, e o fluxo no porto de Salvador (-100,0%) no 2º trimestre de 2020 desaceleram a movimentação de passageiros na capital baiana, impactando na taxa média de ocupação, nos meios de hospedagem em Salvador, em uma queda de 37%, quando comparados com o 2º trimestre de 2019. Segundo dados da Secretária da Fazenda (Sefaz), o estado da Bahia arrecadou em ICMS aproximadamente R$ 1,2 bilhão nas ACTs, no 2º trimestre de 2020, com queda nominal de 26,3% em relação ao mesmo trimestre de 2019, puxado por Transporte por navegação de travessia intermunicipal, interestadual e internacional (-26,9%).

08 Out 2020 - 19:45h

As vendas no comércio varejista baiano registraram em agosto de 2020 crescimento de 8,5%, frente ao mês imediatamente anterior, na série livre de influências sazonais. Em relação a igual mês do ano anterior, as vendas no comércio varejista baiano registraram, em agosto de 2020, expansão de 6,7%. No acumulado do ano, a taxa foi negativa em 7,9%, influenciada pela pandemia do coronavírus. Esses dados, divulgados nesta quinta-feira (8), foram apurados pela Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – realizada em âmbito nacional – e analisados pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia vinculada à Secretaria do Planejamento (Seplan). O resultado registrado para o varejo baiano em agosto releva que o setor continua sendo influenciado pelo relaxamento das medidas de isolamento social, ocorrida no mês passado, além da liberação do auxílio emergencial. Embora, em função da expectativa dos consumidores quanto ao fim do auxílio emergencial, o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da Fundação Getúlio Vargas mostre uma amenização no ritmo de crescimento, ao subir 1,4 ponto em agosto, para 80,2 pontos.

05 Out 2020 - 15:30h

Aos poucos, parece que os efeitos da pandemia do novo coronavírus, na economia, vão sendo cada vez mais dissipados com o passar dos meses. E isso vem se refletindo principalmente na geração de empregos. De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), da Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia, a Bahia teve um aumento de 36% na criação de postos de trabalho em um ano. As informações do órgão são referentes aos meses de agosto deste ano e de 2019. No primeiro, o estado gerou 9.420 postos de trabalho com carteira assinada, resultado que decorre da diferença entre 43.764 admissões e 34.344 desligamentos. O resultado ficou acima do verificado em agosto do ano passado, quando 3.392 postos de trabalho foram criados, sem as declarações fora do prazo. O número é também superior ao registrado a julho deste ano, quando 3.182 postos celetistas foram gerados. Segundo o levantamento, sete setores geraram postos: Indústria geral (+3.001 postos), Construção (+2.553 postos), Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (+1.906 postos), Informação, comunicação e outras atividades (+1.477 postos), Comércio (+1.248 postos), Administração pública (+407 postos) e Transporte, armazenagem e correio (+21 postos). Por outro lado, alojamento e alimentação (-1.069 postos) e Outros serviços (-124 postos) contabilizaram saldos negativos no mês de agosto de 2020. Não houve registro de novos postos em serviços domésticos. Em relação aos saldos de empregos distribuídos no estado, em agosto de 2020, constata-se ganho de emprego na Região Metropolitana de Salvador (RMS) e no interior. De forma mais precisa, na zona próxima à capital baiana foram criados 3.278 postos de trabalho no oitavo mês do ano e no interior foram geradas 6.142 posições celetistas. “Este foi o melhor resultado do ano para a Bahia. Ainda que num contexto sanitário mundial atípico, da pandemia de covid, o resultado é alentador diante dos desafios do mercado de trabalho”, destaca o secretário estadual do Planejamento, Walter Pinheiro. Contudo, no acumulado do ano, o resultado exibe saldo negativo de 48.052 postos no estado, em função dos efeitos da pandemia, que também deixa impactos na região Nordeste, com saldo negativo de 178.667 postos, e no país, com saldo negativo de 849.387 postos.

01 Out 2020 - 15:30h

A arrecadação de impostos, contribuições e demais receitas federais registrou alta real (descontada a inflação) de 1,33% em agosto, na comparação com o mesmo mês de 2019, e somou R$ 124,505 bilhões. As informações foram divulgadas nesta quinta-feira (1) pela Secretaria da Receita Federal. De acordo com dados da Receita, o resultado de agosto deste ano representa o primeiro crescimento real (considerando a inflação) da arrecadação, na comparação com o mesmo período do ano anterior desde janeiro, ou seja, após seis meses de queda. Em agosto de 2019, a arrecadação havia somado R$ 122,876 bilhões. Os números oficiais também mostram que o resultado de agosto deste ano foi o maior, para este mês, desde 2014 — quando somou R$ 127,405 bilhões. Os valores foram corrigidos pela inflação. De acordo com a Receita Federal, o aumento da arrecadação, em agosto deste ano, está relacionado com o recolhimento impostos que foram postergados durante a pandemia, no valor de R$ 17,294 bilhões. Por outro lado, os números da Receita Federal mostram que houve um aumento das compensações tributárias neste ano, lançadas pelas empresas, por conta da pandemia do novo coronavírus, fator que diminui a arrecadação. Em agosto, as compensações tributárias somaram R$ 18,096 bilhões, contra R$ 9,145 bilhões no mesmo mês de 2019.