Barra: Polícia conclui que homem mandou matar pediatra após sentir ciúmes da ex-esposa

26 Out 2021 - 09:30h

A Polícia Civil concluiu que o homem suspeito de mandar matar o pediatra Júlio César de Queiroz Teixeira, dentro da clínica onde a vítima trabalhava, encomendou o crime após sentir ciúmes da ex-esposa, durante uma consulta com o filho dele. Júlio César, de 44 anos, foi morto em 23 de setembro no município de Barra, quando estava em atendimento. Ele foi baleado na frente de pacientes e da esposa, que é enfermeira e trabalhava com ele no local. Segundo informações do titular da Delegacia Territorial de Barra, delegado Jenivaldo Rodrigues Ataíde Santos, Diego Santos Silva, de 31 anos, é um ex-marido possessivo e “criou mentalmente” que Júlio César teria olhado para os peitos da ex dele. “O filho do acusado era atendido pelo médico há um tempo e na última consulta, ele esteve presente. A partir de uma imaginação ilusória, ele desconfiou de que a vítima teria olhado para os seios da esposa dele e, então, tramou o homicídio”, disse. Essa motivação é totalmente rejeitada pela família. Para os irmãos, o médico pode ter sido morto por uma disputa de espaço de trabalho. A polícia informou que a linha foi analisada, mas não foi confirmada. Diego Santos Silva foi preso na tarde de sexta-feira (22), após se apresentar em Barreiras, cidade que também fica no oeste da Bahia. Nesta segunda, a diretora do Departamento de Polícia do Interior, delegada Rogéria da Silva Araújo, confirmou que o suspeito se manteve em silêncio durante a tentativa do depoimento. A informação foi divergente da informada pelo coordenado regional de polícia, delegado Rivaldo Luz, que informou à TV Oeste, que ele teria confessado que cometeu o crime (veja aqui).

Comentários

Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.


Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Achei Sudoeste. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

Deixar comentário

Comentário