Ministério Público pede fechamento do comércio não essencial em Vitória da Conquista

24 Jun 2020 - 14:40h

O Ministério Público entrou na justiça com uma ação civil pública pedindo que o comércio e os templos religiosos em Vitória da Conquista, a 132 km de Brumado, voltem a ser fechados. Segundo o órgão, a reabertura de lojas teria contribuído para o aumento de casos de Covid-19 no município. A decisão aconteceu porque o município teve o comércio aberto, seguindo os decretos da prefeitura do dia 31 de maio. Mas o Ministério Público observou aumento da aglomeração e no número de casos de Covid-19 no município. “Há uma alteração muito grande dos casos em Vitória da Conquista, uma aceleração do pico e a gente está preocupado com a preservação da população e eu entrei com a ação na justiça, para tentar barrar, tentar melhorar essa situação”, disse a promotora Guiomar Miranda. Segundo informações da promotora, a Prefeitura de Vitória da Conquista tem 72 horas para se posicionar. Em 1° de junho, dia da reabertura do comércio na cidade, o município registrava 159 casos de Covid-19 e cinco mortes pela doença. Além de 10,9% dos leitos ocupados e 54% dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) ocupados. Mesmo sendo permitido a reabertura, a Igreja Católica anunciou que não vai realizar missas presenciais durante a pandemia. De acordo com a Associação Evangélica Conquistense, a maioria dos templos continua fechado. Em nota, a Prefeitura de Vitória da Conquista informou que não vai se posicionar sobre o assunto, porque a procuradoria prepara uma resposta a ação feita pelo Ministério Público. Já a CDL disse que vai aguardar o posicionamento da prefeitura para falar sobre o assunto.

Comentários

Amaury

"Com o fechamento os riscos de colapso social eleva mais ainda na questão de garantir renda para os profissionais dos setores atingidos, para fechar o comércio, o ministério público deveria primeiro garantir renda para os trabalhadores e depois solicitar o fechamento."

Deixar comentário

Comentário

mais notícias