Brumado: Populares temem contaminação por radiação e protestam contra torre de telefonia

21 Jun 2021 - 09:00h

Moradores e comerciantes do entorno da Igreja São Cristóvão, na cidade de Brumado, estão insatisfeitos com a instalação de uma torre de telefonia móvel na região. Em entrevista ao site Achei Sudoeste, a moradora Marileide Leite disse a vizinhança está temerosa quanto aos efeitos nocivos da transmissão de radiação para saúde. “A gente não sabe até onde isso vai ser nocivo pra gente. Segundo a secretaria estadual de meio ambiente, para se construir uma torre dessas tem que ter pelo menos 30 metros de distância. É proibido se construir próximo de creches e hospitais justamente por causa da radiação. A empresa responsável teria que convocar a comunidade para uma palestra para falar sobre os impactos, mas nada disso aconteceu”, relatou. Além dos prejuízos à saúde, a moradora alega que a torre coloca em risco à vizinhança em caso de desabamento. “Tudo que o homem faz é imperfeito. Essa torre pode desabar a qualquer momento e atingir as casas”, completou. A moradora Chaiane Bonfim afirmou que o caso já foi levado ao conhecimento da secretaria municipal de meio ambiente para intervenção necessária. “Eles foram notificados, mas continuam construindo. Brumado é uma terra sem lei? Não aceitamos essa torre no nosso bairro”, manifestou. Os moradores também acionaram o Ministério Público para mediar o impasse.

Comentários

Amaury

"Para esclarecer o assunto e falar sobre antenas, temos que entender que há dois tipos de radiações eletromagnéticas: a ionizante e a não ionizante. A não ionizante é a radiofrequência, que possui radiação com baixa energia, como televisão, micro-ondas, transmissão de rádio e Torres de celulares. A ionizante, por sua vez, é proveniente, por exemplo, da radiação ultravioleta e dos raios X, que destrói as células de DNA e, como consequência, pode causar câncer. a radiação eletromagnética emitida pelas antenas de celulares é do tipo de onda não ionizante. Com isso, ela não pode causar nenhum tipo de tumor nas pessoas que vivem próximas aos locais de instalação. O único efeito é que, a radiação eletromagnética não ionizante, como a radiofrequência emitida por celulares, causa aumento na temperatura onde essas radiações têm contato. É daí que vem a radiação e o aumento do calor nos micro-ondas. Portanto, o celular aumenta a temperatura no local onde é usado. Até o momento não há nenhum estudo científico que comprove que as antenas das torres possam fazer mal à saúde humana. "Existem recomendações com relação ao local de instalação, altura da torre e posicionamento das antenas baseadas em normas brasileiras e internacionais. Se Torre transmissora de celular, radiodifusão ou teledifusão provocasse câncer cidades como Nova York, São Paulo, Cidade do México e etc, já teriam vitimados toda sua população com câncer, em 2018 a capital Paulista possuía 5.603 (cinco mil e seiscentos e três) torres de celular em funcionamento. Vale lembrar que estas torres são estaiadas com altura e localização que atendem as normas da Anatel, tendo custo elevado de instalação, nenhuma empresa do setor faz um investimento deste sem que atenda as normas de telecomunicações vigente."



Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Achei Sudoeste. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

Deixar comentário

Comentário

mais notícias