Do arroz ao gás de cozinha, população se desdobra para driblar a alta nos preços e manter a economia em Brumado

14 Jan 2021 - 00:00h

A inflação atingiu em cheio os itens da cesta básica e do dia a dia em todo país. Está tudo mais caro. Em Brumado, as donas de casa têm se desdobrado para economizar e adquirir produtos mais baratos. Em entrevista ao site Achei Sudoeste, a dona de casa Isabel Gomes reclamou que o salário mínimo está defasado diante da alta geral nos preços dos produtos alimentícios. “Uma lata de óleo custa R$ 8, o feijão todo dia sobe, arroz piorou, açúcar também está caro. Está um horror! O salário mínimo não sobe, só as coisas. Vamos ficar sem comer”, disse. O gás de cozinha está custando, em média, R$ 78. Para Isabel, é preciso fazer malabarismo em casa e buscar as promoções para dar conta de todas as despesas nesse período. “Não abaixa. Tudo subiu, não só a comida. Está muito difícil”, reiterou.

Comentários

Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.

mais notícias